Após suspensão na África do Sul, OMS diz para países não ″dispensarem″ AstraZeneca | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 09.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Após suspensão na África do Sul, OMS diz para países não "dispensarem" AstraZeneca

AstraZeneca informa que trabalha na "atualização" da vacina para eficácia contra variante do vírus. Imunizante é o principal item a ser distribuído pela Covax, que quer universalizar o acesso as vacinas pelo mundo.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) insistiu na segunda-feira (08.01) que a vacina AstraZeneca ainda era um instrumento vital na luta global contra a pandemia do coronavírus, depois de a África do Sul ter suspendido o início do seu programa de imunização devido a preocupações sobre a sua eficácia contra uma variante do vírus.

"É demasiado cedo para estar a rejeitar esta vacina", disse Richard Hatchett, que dirige a Coalizão para Inovações de Prevenção de Epidemias, uma das organizações que compõem a aliança de vacinação Covax - criada para adquirir vacinas contra a Covid-19 e assegurar a sua distribuição equitativa em todo o mundo.

A vacina AstraZeneca está a gerar desconfiança sobre a sua eficácia, inclusive para pessoas com mais de 65 anos. "É absolutamente crucial utilizar os instrumentos de que dispomos da forma mais eficaz possível", acrescentou Hatchett.

A vacina AstraZeneca representa a quase totalidade das 337,2 milhões de doses de vacina que a Covax se prepara para começar a enviar para cerca de 145 países durante o primeiro semestre deste ano. A distribuição ocorrerá assim que a aliança receber a autorização da OMS, o que deve ocorrer na próxima semana.

Coronavirus - Astrazeneca Impfstoff

Doses na África do Sul devem vencer em abril

Doses vencem em abril

Um ensaio na Universidade de Joanesburgo de Witwatersrand concluiu que a vacina fornecia apenas proteção "mínima" contra a Covid-19 suave a moderada causada pela variante detetada pela primeira vez na África do Sul.

Foi uma má notícia para muitas nações mais pobres, que contavam com as vantagens logísticas oferecidas pela vacina AstraZeneca. A África do Sul, a nação mais duramente atingida do continente, deveria começar a sua campanha nos próximos dias com um milhão de doses de AstraZeneca.

"É uma questão temporária que temos de aguentar no AstraZeneca até resolvermos estas questões", disse o Ministro da Saúde Zweli Mkhize aos repórteres no domingo. A África do Sul tem 1,5 milhões de doses de vacina AstraZeneca, que expirarão em abril.

AstraZeneca, que desenvolveu a vacina com a Universidade de Oxford, também se manteve fiel ao seu produto. "Acreditamos que a nossa vacina ainda irá proteger contra doenças graves", disse à AFP. Um porta-voz da empresa disse que os investigadores já estavam a trabalhar na actualização da vacina para lidar com a variante sul-africana que se espalha rapidamente pelo o mundo.

Assistir ao vídeo 04:08

Lixo médico aumenta em Nairobi durante a pandemia de Covid-19

Leia mais