TotalEnergies adia para 2026 produção de gás no norte de Moçambique | NOTÍCIAS | DW | 29.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

TotalEnergies adia para 2026 produção de gás no norte de Moçambique

"Moçambique LNG: adiado para 2026", lê-se na informação aos investidores divulgada pela petrolífera. A produção de gás natural liquefeito em Cabo Delgado está suspensa desde o ataque à vila de Palma, em março.

 Projeto de gás natural da Total na península de Afungi, norte de Moçambique.

Projeto de gás natural da Total na península de Afungi, norte de Moçambique.

A petrolífera TotalEnergies adiou por mais dois anos, para 2026, a previsão de produção de gás natural liquefeito em Cabo Delgado, região norte de Moçambique sob conflito armado, de acordo com a mais recente informação a investidores.

"Moçambique LNG (gás natural liquefeito, sigla inglesa): adiado para 2026", lê-se no documento divulgado na terça-feira (28.09) e consultado pela agência de notícias Lusa.

A previsão anterior apontava para 2024, mas a ocupação terrorista da vila de Palma, nas imediações das obras do projeto, no final de março, levou à suspensão do empreendimento liderado pela Total.

Na altura, a empresa apontou para um ano de paralisação, regressando quando estivesse garantida a segurança.

Já esta quarta-feira, Adriano Maleiane, ministro da Economia e Finanças moçambicano, disse no Fórum sobre a Resiliência em África, em Abidjan, que a retoma poderia até acontecer mais cedo.

Depois da retoma da atividade, deverão começar as principais obras de construção civil e de instalação de tecnologias, sendo que o primeiro carregamento de gás por via marítima, abrindo portas às receitas do projeto, está agora previsto pela própria petrolífera para 2026.

O empreendimento é o maior investimento privado em curso em África, da ordem dos 20 mil milhões de euros.

Assistir ao vídeo 02:04

Cabo Delgado: Deslocados regressam às aldeias de origem

Leia mais