Cabo Delgado: Maputo espera encurtar prazo para retorno da Total | Moçambique | DW | 29.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Cabo Delgado: Maputo espera encurtar prazo para retorno da Total

Ministro das Finanças espera o retorno do projeto de extração de gás da Total antes do prazo de um ano estipulado pela empresa. Adriano Maleiane diz que a situação em Cabo Delgado justifica o seu otimismo.

Adriano Maleiane

Ministro Adriano Maleiane

O ministro das Finanças de Moçambique disse esta quarta-feira (29.09) esperar que as obras da Total em Cabo Delgado recomecem antes do prazo de um ano que a empresa estimou como necessário para o Governo resolver a insegurança na região.

"Penso que o prazo esperado de atraso das obras talvez seja reduzido porque apontámos um ano como o tempo necessário para permitir o recomeço do projeto, mas olhando para a situação, hoje, penso que não vai ser esse o caso, estamos a fazer o nosso melhor", disse o governante, mostrando-se otimista na redução do prazo, estimado para abril do próximo ano.

Respondendo a uma pergunta do diretor do departamento africano do Fundo Monetário Internacional (FMI) durante o quarto Fórum sobre a Resiliência em África, no painel 'O nexo entre segurança, crescimento económico e investimento', organizado pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Adriano Maleiane mostrou-se otimista no recomeço das obras antes do prazo de suspensão de um ano avançado pelas autoridades.

"A perspetiva é boa porque a paz está a manter-se, as pessoas deslocadas estão a voltar às suas casas, e estamos agora no processo de criar condições para voluntariamente virem para casa e não simplesmente desejar vir para casa um dia", acrescentou o ministro.

BG I Alltag und Militarismus in Cabo Delgado

Região de Palma é afetada por terroristas

Primeira exportação

 A petrolífera francesa Total, líder do projeto da Área 1 no norte de Moçambique, suspendeu os trabalhos na instalação perto de Palma a 24 de março, no dia em que a cidade foi atacada pelos insurgentes, e um mês depois anunciou a suspensão de todo o projeto por tempo indeterminado.

 Avaliado entre 20 e 25 mil milhões de euros, o megaprojeto de extração de gás da Total é o maior investimento privado em curso em África, suportado por diversas instituições financeiras internacionais e prevê a construção de unidades industriais e uma nova cidade entre Palma e a península de Afungi.

 A primeira exportação de gás liquefeito está prevista para 2024, o mesmo ano em que a despesa de Moçambique em servir a dívida pública conhecerá um aumento significativo, resultante do adiamento da subida dos juros para o ano em que as receitas deveriam aumentar por via das exportações de gás.

Assistir ao vídeo 01:41

Mulheres soldado ruandesas em Moçambique

Leia mais