RENAMO responsabiliza FRELIMO pela morte de observador | Moçambique | DW | 10.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO responsabiliza FRELIMO pela morte de observador

"Quando nós dizemos que a FRELIMO é um grupo de criminosos, muitos não nos entendem: mataram um cidadão que fazia parte da sociedade civil e que podia ajudar Moçambique", disse Ossufo Momade, num comício em Namapa.

Ossufo Momade, líder do principal partido da oposição moçambicana

Ossufo Momade, líder do principal partido da oposição moçambicana

Para o líder do principal partido de oposição em Moçambique, a Frente de Libertação de Moçambique  (FRELIMO), no poder desde a independência do país, em 1975, não está interessada na democracia.

"Aqueles [a FRELIMO] não querem democracia em Moçambique. Eles mataram o nosso irmão, mas não mataram os moçambicanos. Os moçambicanos querem a democracia", frisou Ossufo Momade, falando esta quarta-feira (09.10) num comício no posto administrativo de Namapa, na província de Nampula, norte de Moçambique, no decurso da campanha eleitoral.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) anunciou na terça-feira (09.10), numa declaração à imprensa pelo seu porta-voz, em Maputo, que o homicídio de Anastácio Matavel terá sido perpetrado por um grupo de quatro agentes e um civil, referiu, sem adiantar as possíveis motivações.

Cinco suspeitos envolvidos

Segundo o boletim da organização não-governamental Centro de Integridade Pública (CIP), dois dos suspeitos morreram num acidente que envolveu a viatura em que os cinco fugiam do local do homicídio, na cidade de Xai-Xai, capital da província de Gaza.

Assistir ao vídeo 01:49

Moçambique: "Sala da Paz" classifica de cruel e intimidador assassinato de Matavel

O comandante-geral da PRM suspendeu os comandantes da subunidade de Intervenção Rápida e da Companhia do Grupo de Operações Especiais, em Gaza, a que pertenciam os suspeitos e foi criada uma comissão de inquérito para, no prazo, de 15 dias "apresentar um relatório pormenorizado sobre o facto".

Anastácio Matavel foi baleado mortalmente por um grupo que o perseguiu, na segunda-feira, quando conduzia a sua viatura. A ocorrência foi registada pelas 11:00, depois de o ativista sair de uma formação de observadores onde fez a abertura da sessão.

Numa conferência de imprensa hoje em Maputo, através de André Magibire, secretário-geral do partido, a Renamo  repudia de forma "veemente o assassínio bárbaro" de Anastácio Matavel,  exigindo demissão do ministro do Interior face aos indícios de envolvimento de agentes da polícia no assassínio.

Além da RENAMO, vários países e organizações não-governamentais moçambicanas e estrangeiras repudiaram o assassínio do observador.

Leia mais