1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto: Leco Viana/ZUMA Press/picture alliance
CulturaBrasil

Museu da Língua Portuguesa quer ser lugar de reflexão

Ana Tereza May
6 de agosto de 2021

O primeiro espaço museológico mundial dedicado a um idioma reabriu depois de estar fechado durante seis anos. Nova coleção conta com a colaboração de artistas e escritores de todos os países lusófonos.

https://p.dw.com/p/3ydjP

O Museu da Língua Portuguesa reabriu no dia 31 de julho. O edifício, localizado no centro de São Paulo e que já tinha recebido 4 mil milhões de visitantes, fechou em 2015 por causa de um incêndio que destruiu grande parte da estrutura. Agora, o espaço reabre com 13 instalações, sete a mais do que tinha quando fechou. Uma delas é dedicada à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). 

O espaço "Nós da Língua Portuguesa" foi organizado pelos escritores Mia Couto, de Moçambique, e José Agualusa, de Angola.

A curadora especial do museu, Isa Grinspuz Ferraz, explica que, por o mundo ter 260 milhões de falantes de português espalhados pelos cinco continentes, a instalação interativa funciona como um "mergulho na diversidade do mundo lusófono".

Para isso o visitante tem acesso a poesias, canções e paisagens, humanas e físicas, de diferentes lugares.

Sao Paulo, Brasilien | Museum für portugiesische Sprache wir wiedereröffnet
Museu conta com sete instalações a mais do que tinha quando fechouFoto: Leco Viana/ZUMA Press/picture alliance

Pluralidade linguística

Em 2018, enquanto estava fechado, o Museu da Língua Portuguesa promoveu uma exposição itinerante que passou pelas cidades da Praia, Maputo, Luanda e Lisboa. Um dos objetivos era mostrar que a língua pode variar conforme a região ou país, ainda que seja a mesma.

O brasileiro André Teixeira de Franco trabalhou na passagem da mostra por Lisboa e conta que se surpreendeu ao ver que muitas crianças já conheciam termos usados nos diferentes nos países. Ele relembra que, quando foi explicar as palavras "autocarro", usada em Portugal, e "ônibus", no Brasil, o público não estranhava tanto o português do Brasil por causa do contato que já tinham através de novelas ou com imigrantes.

Mosambik Autor Mia Couto
O escritor moçambicano Mia Couto fez parte do grupo de autores que colaboraram com a nova coleçãoFoto: Getty Images/AFP/F. Guillot

Referência na lusofonia

Poetas e artistas de Moçambique, Angola, Portugal, Cabo Verde, Timor Leste e Macau contribuíram para a reestruturação do Museu da Língua Portuguesa.

Isa Grinspuz Ferraz acredita que o espaço "tem legitimidade pelo trabalho que realizou e realiza para ser um centro mundial de pensamento e troca" sobre a língua. 

Como Mia Couto e José Eduardo Agualusa escrevem num dos textos disponíveis no museu: a língua portuguesa, ao mesmo tempo que foi instrumento de "dominação colonial", também foi componente fundamental na criação de "identidades culturais autónomas".

Museu da Língua Portuguesa reabre ao público

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado