Incêndio destrói redação de jornal em Maputo | Moçambique | DW | 24.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Incêndio destrói redação de jornal em Maputo

Fogo no semanário Canal de Moçambique teria começado durante a partida final da Champions League entre Bayern de Munique e Paris Saint-Germain. Jornalistas e ativistas acompanharam o trabalho dos bombeiros.

Um incêndio atingiu a redação do semanário Canal de Moçambique na avenida Maguiguana, em Maputo, na noite deste domingo (23.08). O fogo teria começado durante a partida entre Bayern de Munique e Paris Sait-Germain pela Final da Champions League.

A redação do jornal está inutilizada. O fogo destruiu equipamentos de informática (computadores, impressoras e monitores), material de escritório, arquivos e vários móveis. Equipas do corpo de bombeiros trabalharam durante a noite para apagar o incêndio, e jornalistas e ativistas avaliaram os estragos ao longo da madrugada.. 

O coordenador do Centro de Democracia e Desenvolvimento (CDD), Adriano Nuvunga, passou parte da madrugada no local e classificou o incidente como "uma barbaridade”.

Mosambik | Feuer in der Redaktion der Zeitung Canal de Mocambique (Adriano Nuvunga/CDD)

Equipamento da redação ficou bastante danificado

"Quando chegamos lá, aquilo parecia uma bomba de combustível que explodiu. Estava a cheirar combustível. Eles colocaram dois bidões de combustível, espalharam combustível e atearam fogo de longe. Fomos à esquadra buscar a polícia", relata Nuvunga.

Revolta e desabafos

Um sentimento de revolta tomou conta das redes sociais do jornal moçambicano. Fotos do que restou das instalações foram publicadas. O diretor Fernando Veloso também se manifestou via Facebook, falando em "bombas artesanais”.

Em comunicado à imprensa, os integrantes do CDD que estiveram no local dizem que a redação do jornal "mais crítico ao Governo da FRELIMO foi reduzida a cinzas".

A ONG lembra que o incêndio ocorreu quatro dias após o semanário publicar uma reportagem sobre alegado "tráfico de influência" e disputas da "elite política moçambicana pelo controle do negócio de marcação de combustíveis, estimado em 2,5 mil milhões de meticais [30 milhões de euros]".

O texto ressalta que o Ministério dos Recursos Minerais e Energia (MIREME) foi forçado a suspender o concurso que vencido por um consórcio. A anulação ocorreu depois da reclamação de duas empresas interessadas.

Mosambik | Feuer in der Redaktion der Zeitung Canal de Mocambique (Adriano Nuvunga/CDD)

Representante do CDD destaca que foram encontrados bidões no local

Na mesma nota, o CDD condena fortemente o que chama de "ataque às instalações do Canalmoz e Canal de Moçambique" e expressou solidariedade com os proprietários e trabalhadores das publicações. "Este ataque representa um grave golpe contra a liberdade de imprensa, um dos fundamentos básicos da democracia. Por esta razão, o CDD exige investigações sérias e profundas deste ataque contra a democracia", diz a nota.  

Jornalistas do Canal de Moçambique foram à barra da justiça há algumas semanas depois de noticiarem um alegado acordo entre Estado e multinacionais para proteger trabalhadores dos ataques em Cabo Delgado. Com o título "O negócio da guerra em Cabo Delgado", o jornal estampou o suposto contrato entre empresas e dois ministérios. 

Em dezembro de 2019, homens tentaram raptar o editor do semanário, Matias Guente, no bairro do Alto Maé. O grupo, que se fazia transportar numa viatura de marca Toyota Corola, estava armado e trazia também tacos de beisebol e de golfe, e teria seguido Matias Guente por algum tempo, tendo posteriormente tentado obrigar o jornalista a entrar no seu veículo. Na ocasião, Guente foi agredido, mas conseguiu fugir.

 

Assistir ao vídeo 00:39

Trailer de "Resgate"

Leia mais