Ameaças de Mariano Nhongo: “Esta é uma matéria de Estado”- defende a RENAMO | NOTÍCIAS | DW | 27.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Ameaças de Mariano Nhongo: “Esta é uma matéria de Estado”- defende a RENAMO

Mariano Nhongo prometeu segunda-feira (26.08) inviabilizar a realização das eleições de 15 de outubro, via ataques armados. Para a RENAMO esta “é uma matéria de Estado que deve garantir a defesa e tranquilidade do país”.

Mosambik RENAMO-Militärjunta in Gorongosa (DW/A. Sebastião)

"Junta Militar da RENAMO" na Serra da Gorongosa

Vinte e quatros horas depois do presidente da autoproclamada "Junta Militar da RENAMO”, Mariano Nhongo ter ameaçado em entrevista à DW África inviabilizar a realização das eleições gerais de 15 de outubro, em Moçambique, a Resistência Nacional Moçambicana [RENAMO], através do seu porta-voz, José Manteigas diz que esta ameaça configura um crime.

Para Manteigas, esta "é uma matéria de Estado (…) é o Estado que tem que garantir a defesa e tranquilidade do país”. O político nega que o líder da RENAMO, Ossufo Momade não tenha sido eleito pelos militares, afirmando que "estes estão representados nos órgãos internos da RENAMO”.

O porta-voz da Perdiz apela a autoproclamada "Junta Militar” a não recorrer à força das armas para viabilizar as suas reivindicações.

DW África: Em entrevista exclusiva à DW África, esta segunda-feira (26.08), o presidente da autoproclamada "Junta Militar da RENAMO”, Mariano Nhongo prometeu inviabilizar a realização das eleições gerais, porque o partido de que diz ser líder "supostamente” foi excluído do processo eleitoral. Como lidar com esta situação de ter-se um partido com dois líderes?

Mosambik Maputo | Renamo-Partei | José Manteigas, Sprecher (DW/R. da Silva)

José Manteigas - porta-voz da RENAMO

José Manteigas (JM): A RENAMO reconhecida no ordenamento jurídico moçambicano como partido político é esta liderada por Ossufo Momade. Agora, se Mariano Nhongo não vai permitir a realização das eleições, isso não é o nosso posicionamento. Nós vamos concorrer em todos os círculos eleitorais do país, quer nas presidenciais, assim como, para as assembleias provinciais. Este é o desafio que temos pela frente, por isso sempre dissemos que estamos focados nas eleições.

DW África: Mas o senhor Mariano Nhongo ameaça emboscar a qualquer partido político que fizer campanha eleitoral. Isso vos preocupa ou não?

JM: Preocupa. Mas atacar pessoas indefesas, entidades públicas e personalidades isso configura um crime. Se o senhor Mariano Nhongo tem alguma reivindicação a fazer, nós achamos que não deve ser por via das armas, porque isso é uma afronta ao Estado de direito democrático moçambicano.  

DW-África: Qual é o posicionamento público da RENAMO, face a estas ameaças do senhor Mariano Nhongo?

JM: Esta matéria nos remete à intervenção do Estado. É o Estado que tem que garantir a defesa, segurança e tranquilidade do país. As Forças de Defesa e Segurança saberão posicionar-se para fazer face a esta situação. 

Ouvir o áudio 03:13

Ameaças de Mariano Nhongo: “Esta é uma matéria de Estado”- defende a RENAMO

DW África: Nhongo acusou Ossufo Momade de não ter sido eleito pelos militares. A pergunta que fazemos é: O que é que regem os estatutos da RENAMO? Os militares elegem o presidente do partido de forma paralela? 

JM: A RENAMO é um partido político. Portanto, a eleição dos seus órgãos é feita em Congresso. O partido reunido na Serra da Gorongosa entre os dias 15 e 17 de janeiro deste ano, no VI Congresso elegeu Ossufo Momade como presidente da RENAMO e os respetivos órgãos do partido. Daí que qualquer ato praticado à margem e à revelia deste órgãos, não é obra do partido. E os seus atores não se identificam com a RENAMO. 

DW África: Neste Congresso, que elegeu Ossufo Momade como presidente da RENAMO, os militares tiveram direito a voto?

JM: Há uma particularidade neste congresso, primeiro foi realizado na Serra da Gorongosa onde estiveram os militares do estado-maior general da RENAMO. Segundo, nos órgãos do partido estão também presentes os militares, como são os casos do Jossefo de Sousa (membro da Comissão Política do partido) e tantos outros (…). Portanto, os militares estão integrados nos órgãos do partido, por isso ninguém pode dizer que estão excluídos.

 RENAMO Guerillakämpfer in Gorongosa, Mosambik (DW/A. Sebastiao)

Mariano Nhongo - líder da autoproclamada "Junta Militar da RENAMO"

DW África: Mariano Nhongo diz estar em conversações com deputados da RENAMO na Assembleia da República, para criação de uma comissão que vai encarregar-se de renegociar o DDR [Desarmamento, Desmobilização e Reintegração] com o Governo moçambicano. Afinal quais e quem são estes deputados com estão a cumprir ordens do senhor Ossufo Momade e ao mesmo tempo do Mariano Nhongo?

JM: Este é um pronunciamento que deixa muito a desejar. Não sei com que deputados ele está a lidar e o que está a negociar. O que lhe posso dizer é que a bancada parlamentar da RENAMO é dirigida pelo presidente do partido e recebe orientações da RENAMO. Portanto, não tenho conhecimento desta tal negociação.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados