Zuma é hospitalizado na África do Sul | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 06.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Zuma é hospitalizado na África do Sul

Ex-Presidente foi levado para um hospital na manhã desta sexta-feira para "controlo de rotina médica". Internação ocorre dias antes do reinício de um julgamento por corrupção, no qual Jacob Zuma é suspeito de fraude.

O ex-Presidente Jacob Zuma foi internado esta sexta-feira (06.08) na África do Sul. Num comunicado, o  Departamento dos Serviços Correcionais confirma que Zuma foi para um hospital externo, fora da prisão, para uma "observação médica". O político estava preso no estabelecimento prisional dos Serviços Correcionais no KwaZulu-Natal e foi transferido a um hospital.

O ex-líder viajou para Cuba no ano passado para receber tratamento para uma doença não revelada. Não foi dada qualquer razão para a hospitalização nesta sexta-feira - além de que foi motivada por "observação de rotina".

A Fundação Zuma comunicou pelo Twitter que o ex-Presidente encontra-se de facto num hospital fora da prisão. Zuma, "preso sem julgamento, está a assistir ao seu controlo anual de rotina médica. Não há necessidade de se alarmar...ainda".

 

Zuma já foi autorizado a sair da prisão por 24 horas para assistir ao funeral do seu irmão no mês passado. A sua prisão provocou uma onda de violência e pilhagem na sua casa, na província de KwaZulu-Natal e na capital financeira Joanesburgo.

"Táticas de adiamento"

Jacob Zuma, de 79 anos, tem agendado o reinício de um julgamento por corrupção a 10 de Agosto. A audiência incluirá um apelo à retirada de 16 acusações de fraude, suborno e chantagem contra ele relacionadas. 

Südafrika | Unruhen in Durban

Protestos ocorreram em várias cidades da África do Sul

O processo envolve a compra de 1999 de caças, barcos de patrulha e equipamento de cinco empresas europeias de armamento quando era vice-presidente.

O antigo chefe de Estado sul-africano é acusado de aceitar subornos da Thales, uma gigante francesa do setor de defesa. Os processos têm sido repetidamente postergados por mais de uma década, dando origem a acusações de "táticas de adiamento".

Condenação em junho

Num caso à parte, Zuma foi condenado a 15 meses de prisão nos finalis de junho, por ter desrespeitado uma comissão que investigava a corrupção do Estado durante a sua presidência de 2009 a 2019. O ex-Presidente começou a cumprir pena a 8 de julho na prisão de Estcourt, no leste do país. 

A equipa jurídica de Zuma apresentou uma série de razões para recusar os convites para o seu cliente testemunhar, incluindo alegado preconceito e preocupações médicas.

[Em atualização]

Assistir ao vídeo 04:08

Cidade do Cabo sem turistas por causa do coronavírus

Leia mais