RENAMO diz que aumento dos combustíveis é ″um insulto″ | Moçambique | DW | 22.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO diz que aumento dos combustíveis é "um insulto"

O maior partido da oposição em Moçambique assinala que a decisão vai agravar o custo de vida da população.

A Autoridade Reguladora de Energia (Arene) de Moçambique anunciou a subida dos preços dos produtos petrolíferos em Moçambique, entre 7% a 22%, a partir de quinta-feira (21.10), refletindo a subida do preço do barril de crude.

Em conferência de imprensa convocada a propósito da decisão do regulador petrolífero, o porta-voz da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), José Manteigas, repudiou os incrementos, observando que os mesmos acontecem poucas semanas depois de o Governo ter determinado a subida de 5% no salário mínimo nacional.

"Este aumento veio agravar mais o penoso custo de vida que os moçambicanos suportam, diariamente, num país onde o índice de desemprego é altíssimo e assustador", avançou Manteigas.

Assistir ao vídeo 02:25

Jovem moçambicano aposta no eco-carvão como alternativa

A consequência imediata desta decisão é a subida geral de preços, particularmente dos produtos de primeira necessidade e o transporte de passageiros, notou o porta-voz da RENAMO.

O principal partido da oposição exigiu ao Governo que encontre uma estratégia de subsidiar os preços dos produtos de primeira necessidade e a tarifa no transporte público.

"Os moçambicanos não merecem viver eternamente debaixo da fome, por conta da má gestão dos impostos e da coisa pública, que impedem a poupança de recursos", prosseguiu José Manteigas.

Manteigas defendeu que o Executivo deve criar reservas financeiras que permitam ao país mitigar o impacto do aumento do custo dos combustíveis no mercado internacional.

Aumentos

O gás de cozinha é o que sofre a maior subida, de 22%, passando de 58,18 para 71,02 meticais por quilo (de 76 para 92 cêntimos de euro por quilo). 

A gasolina sobe 10% de 62,5 para 69,04 meticais por litro (de 81 para 90 cêntimos de euro por litro), enquanto o gasóleo aumenta 7%, de 57,45 para 61,71 meticais por litro (de 75 para 80 cêntimos de euro por litro) - é o produto com o menor aumento. 

O petróleo de iluminação sobe quase 11%, de 43,24 para 47,95 meticais por litro (de 56 para 62 cêntimos por litro). 

O gás natural veicular sobe quase 9% de 30 para 32,69 meticais por litro (de 39 para 42 cêntimos de euro por litro).

Assistir ao vídeo 02:10

Cabo Verde aposta nos carros elétricos e energias renováveis

Leia mais