Moçambique foi o país que mais reduziu mortes por terrorismo em 2021 | Moçambique | DW | 02.03.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique foi o país que mais reduziu mortes por terrorismo em 2021

O número de mortos por terrorismo em Moçambique caiu 82% entre 2020 e 2021, para 93, a maior queda a nível mundial, revela o Índice Global do Terrorismo. O número está agora no seu nível mais baixo desde 2017.

"O sucesso foi motivado por medidas de contraterrorismo bem-sucedidas contra o grupo extremista Estado Islâmico levadas a cabo pelas forças moçambicanas, apoiadas pelo Ruanda e pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral [SADC]", escrevem os autores do Índice Global do Terrorismo, publicado esta quarta-feira (02.03).

O relatório, divulgado pelo Instituto de Economia e Paz (IEP, na sigla em inglês), sediado em Sidney, conclui que, apesar de um aumento de 17% no número de ataques no mundo (5.226), o terrorismo fez em 2021 menos 1,2% de vítimas mortais, num total de 7.142 vidas perdidas.

O instituto, que reúne dados sobre incidentes de terrorismo, mortos, feridos e reféns, refere que em 2021 dois terços dos países do mundo não registaram qualquer ataque terrorista e 119 países não registaram vítimas mortais do terrorismo, o melhor resultado desde que começou a recolher estes números, em 2007.

Kigali, Ruanda | Soldaten aus Ruanda auf dem Weg nach Mozambique

Tropas ruandesas ajudam o Exército moçambicano a combater a insurgência

Nível mais baixo desde 2017

Enquanto Myanmar foi o país que registou o maior aumento de vítimas mortais, Moçambique foi o que teve a maior queda, invertendo a tendência após sete anos de aumentos consecutivos.

Em 2020, o número de mortos por terrorismo em Moçambique tinha aumentado 48%, para 507, mas em 2021 diminuiu 82%, para 93, lembra o relatório.

 A queda no número de mortos foi provocada por uma redução significativa das mortes atribuídas a elementos ligados ao grupo extremista Estado Islâmico, responsável por sete ataques em 2021, contra 22 em 2020.

 O número de vítimas mortais em Moçambique está agora no seu nível mais baixo desde 2017, conclui o documento.

Flüchtlingslager | Cabo Delgado | Mosambik

Campo de trânsito de deslocados internos em Mueda, Cabo Delgado

Situação

A província moçambicana de Cabo Delgado tem sido aterrorizada, desde 2017, por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 859 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

 Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com apoio do Ruanda a que se juntou depois a SADC permitiu o aumento da segurança, recuperando várias zonas onde havia a presença dos rebeldes, mas os ataques continuam em zonas dispersas da província e de regiões vizinhas.

A violência terrorista contra crianças em Cabo Delgado

 

Leia mais