1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Antigos combatentes da RENAMO
Foto: Marcelino Mueia/DW

Moçambique: Ex-combatentes da RENAMO sem subsídios

Marcelino Mueia
2 de dezembro de 2022

Na província da Zambézia, antigos combatentes da RENAMO vendem material de construção doado pelo Governo, para poderem adquirir bens básicos. Estão dependentes das famílias para sobreviver, por não receberem subsídios.

https://p.dw.com/p/4KO1a

Quando o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração Social (DDR) dos guerrilheiros da RENAMO iniciou na zona centro de Moçambique, no ano passado, alguns desmobilizados optaram por regressar para junto das suas famílias na província da Zambézia.

O Governo ofereceu-lhes terrenos na cidade de Mocuba, no norte da província, para construírem casas. Mas as casas ficaram por construir porque os desmobilizados se viram obrigados a vender o material de construção oferecido para comprar comida e roupa.

O facto foi confirmado à DW África pela chefe do departamento dos assuntos sociais dos desmobilizados da RENAMO na Zambézia, Maria Rita Abílio. "Isso está a acontecer por causa da demora de fixação das pensões", disse Abílio, explicando que nos primeiros 18 meses da desmobilização, os visados recebiam assistência financeira a cada três meses.

Maria Rita Abílio, chefe do departamento dos assuntos sociais dos desmobilizados na Zambézia
Maria Rita Abílio, chefe do departamento dos assuntos sociais dos desmobilizados na ZambéziaFoto: Marcelino Mueia/DW

Sem fundos para sobreviver

Mas, findos os 18 meses, a pensão prometida não se materializou. "Imagina a pessoa que foi desmobilizada em 2020, passam quantos anos? Esta pessoa como está a sobreviver?", pergunta Abílio.

Um dos desmobilizados que não se quis identificar por medo de sofrer represálias disse à DW África que a sua sobrevivência depende do amparo da família: "Nós não temos como sobreviver".

Ex-combatentes da RENAMO
Ex-combatentes da RENAMO na Zambézia não estão a receber as pensões prometidasFoto: Marcelino Mueia/DW

Violação do DDR

Para o analista político Lourindo Verde, a falha na distribuição dos subsídios é grave, e fere o compromisso assumido pelas lideranças do Governo e da RENAMO para o processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR). 

Reintegração, disse Verde à DW África, significa "que os antigos guerrilheiros tenham as mínimas condições para recomeçar a vida”.

Em outubro, mais 500 guerreiros da RENAMO das bases de Morrumbala e Mocuba na província da Zambézia, foram desmobilizados no povoado de Murrothone, posto administrativo de Mugeba. A maioria dos desmobilizados não tem casa própria e vive em habitações familiares ou cedidas por conhecidos.

Moçambique: 30 anos do Acordo Geral de Paz

 

Saltar a secção Mais sobre este tema
Saltar a secção Conteúdo relacionado