Moçambique: Cabo Delgado com novos ataques em plena campanha eleitoral | Moçambique | DW | 28.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Cabo Delgado com novos ataques em plena campanha eleitoral

Campanha para as autárquicas de 10 de outubro em Moçambique desenrola-se numa altura em que a província de Cabo Delgado é alvo de ataques de grupos desconhecidos.

Mosambik Autos in einer Straße in Pemba (DW/E. Silvestre)

Uma das ruas da cidade de Pemba (capital de Cabo Delgado)

O mais recente ataque na província moçambicana de Cabo Delgado (norte do país) ocorreu há cerca de uma semana na aldeia de Ntoni, um povoado no distrito de Macomia. Um grupo armado, que usava fardas militares, matou dez residentes, feriu 15 pessoas e incendiou dezenas de casas.

Os grupos que têm atacado as aldeias nunca fizeram nenhuma reivindicação nem deram a conhecer as suas intenções, mas investigadores sugerem que a violência está ligada a redes de tráfico de heroína, marfim, rubis e madeira.

Os ataques acontecem numa altura em que avançam os investimentos de companhias petrolíferas em gás natural na região, mas sem que até agora tenham entrado no perímetro reservado aos empreendimentos. 

Em plena campanha eleitoral para as autárquicas de 10 de outubro, a DW África perguntou à polícia local que medidas estão a ser tomadas para garantir a segurança da campanha na província que tem sido alvo de frequentes ataques de grupos desconhecidos, desde 2017, e que já causaram dezenas de mortos e muitos deslocados. Mas as autoridades dizem que só irão pronunciar-se na próxima segunda-feira (01.10), no habitual briefing semanal da corporação.

Silêncio dos partidos

Mosambik Wahlkampf für Kommunalwahlen am 10. Oktober 2018 (DW/Delfim Anacleto)

Campanha da FRELIMO em Cabo Delgado

Os partidos políticos também preferem pautar-se pelo silêncio em relação a este tema: dizem estar concentrados na divulgação dos respetivos manifestos eleitorais.

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) quer vencer nos cinco concelhos autárquicos que compõem Cabo Delgado. Sob o slogan "a vitória prepara-se, a vitória organiza-se”, o primeiro-secretário do Comité provincial, José Elias Kalime, diz não ter dúvidas: a avaliar pelo trabalho em curso nos municípios de Pemba, Mueda, Chiúre, Mocímboa da Praia e Montepuez, a vitória do partido é "certa”.

"A FRELIMO começou a sua preparação em sede do 11º Congresso. Terminado a reunião magna partidária, tivemos uma sucessão de formações, tudo com vista à vitória. Com este trabalho todo que foi feito pelos distritos adentro e na província de Cabo Delgado em geral, estamos conscientes de que vamos poder ganhar estas eleições de forma avassaladora e convincente”, destacou Elias Kalime.

Ouvir o áudio 03:17

Moçambique: Cabo Delgado com novos ataques de grupos desconhecidos em plena campanha eleitoral

A Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) marchou, esta quinta-feira (27.09), pelas avenidas da urbe, uma marcha que terminou no bairro Eduardo Mondlane, onde apresentou ao eleitorado o seu cabeça de lista para a cidade de Pemba, António Vasco.

Em entrevista exclusiva à DW África, Alberto José Bacar, delegado interino do partido, disse que é desta que a RENAMO vai virar a história de governação dos municípios de Cabo Delgado.

"A campanha está a dar grande vantagem à RENAMO em todas as autarquias. Mesmo em Mueda, considerado distrito hostil para a RENAMO, os munícipes querem apostar numa bancada forte desse partido".

Mosambik Wahlkampf für Kommunalwahlen am 10. Oktober 2018 (DW/Delfim Anacleto)

António Vasco

O cabeça de lista da RENAMO, António Vasco, vê com preocupação a superlotação das salas de aula, motivo que, a seu ver, contribui para o fraco aproveitamento pedagógico das crianças. E promete que a "RENAMO vai criar escolas primárias-piloto com turmas que variam de 20 a 25 alunos cada para melhorar a qualidade do ensino, vai providenciar a oferta de uniformes às crianças carenciadas com ajuda de parceiros. Para garantir a pontualidade de crianças na escola vai criar uma empresa municipal de transporte escolar que será comparticipada de forma simbólica pelos encarregados de educação”.

Como solucionar a escassez de água?

António Pegissane Macanes, cabeça-de-lista do Movimento Democrático de Moçambique MDM), para o Concelho Autárquico de Pemba, disse já ter em manga uma fórmula para salvar os munícipes desta urbe do crónico problema da escassez de água.

Mosambik Wahlkampf für Kommunalwahlen am 10. Oktober 2018 (DW/Delfim Anacleto)

António Pegissane Macanes

"Há muita gente que já tem furos, significa que tem água aqui em baixo. Se tem água aqui em baixo, vamos furar, pôr um tanque elevado lá em cima e agrupar uma motobomba que trabalha com energia solar e vamos dar à população água mahala (grátis). A minha pensão, como também sou empreendedor, funciona com água daqui em baixo. É essa ideia que é minha que vou aplicar para todos os bairros, porque a água sai muito limpa e é boa!”

Para além da FRELIMO, da RENAMO e do MDM, concorrem também nestas quintas eleições para o Conselho Autárquico de Pemba o Partido Humanitário de Moçambique (PAHUMO).

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados