Grupo de cidadãos quer Guiné Equatorial fora da CPLP | NOTÍCIAS | DW | 15.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Grupo de cidadãos quer Guiné Equatorial fora da CPLP

Em carta aberta dirigida à CPLP, um grupo de ativistas pede a retirada imediata da Guiné Equatorial da organização lusófona. Acusam Obiang de continuar a não respeitar os direitos humanos e de manter a pena de morte.

Para os críticos, o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, descredibiliza a CPLP

Para os críticos, o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, descredibiliza a CPLP

Um grupo de ativistas angolanos, portugueses, e cabo-verdianos  deseja ver a Guiné Equatorial expulsa da Comunidade dos Países de Língua (CPLP). A reivindicação consta de uma carta aberta dirigida à presidência da organização lusófona, na véspera da cimeira de Luanda, nos dias 16 e 17 de julho.

Na missiva endereçada ao Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, no fim de mandato da presidência rotativa, e a João Lourenço, chefe de Estado de Angola e próximo presidente da CPLP, os signatários argumentam que no país do homólogo Teodoro Obiang não tem havido progressos no que toca ao respeito pelos direitos humanos.

O ex-candidato às presidenciais em Portugal em 2016, Paulo de Morais, afirma ser inaceitável a permanência da Guiné Equatorial na CPLP, porque o país não cumpriu a promessa feita na cimeira de Díli, em 2014, de abolir a pena de morte.

"Passaram-se sete anos, sucessivas promessas ano após ano de que a pena de morte iria ser abolida e, no entanto, na Guiné Equatorial a pena de morte mantém-se", afirmou à DW Morais, um dos três ex-candidatos às presidenciais em Portugal que assinaram a carta.

O dirigente da Frente Cívica acrescenta que Teodoro Obiang é conhecido pelo seu percurso de décadas como líder totalitário. Paulo de Morais qualificou Obiang como um "ditador" e "conhecido predador da imprensa, porque persegue jornalistas".

Obiang descredibiliza a CPLP

O político vê o facto de o filho do Chefe de Estado, que é vice-Presidente da Guiné Equatorial, ter sido condenado por branqueamento de capitais em França, como um dos fatores que descredibilizam a CPLP e vão contra os valores da paz e democracia que a organização defende.

Präsident von Äquatorialguinea, Teodoro Obiang, auf Kap Verde, mit dem Präsidenten José Carlos Fonsenca

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang (esq) com o Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca

Segundo o jornalista angolano William Tonet, outro signatário da carta, o que os subscritores querem é um procedimento legal que vise aproveitar esta "soberana oportunidade" de ouvir a voz dos cidadãos.

Tonet disse que ignorar a violação dos direitos humanos na Guiné-Equatorial "coloca todos os países da CPLP como cúmplices". Por isso exige que avancem com uma ação contra a Guiné Equatorial.

"Mancha aquilo que se pretende na CPLP, que seja um berço de uma comunidade de Estados, onde o exercício permanente é o respeito pelos direitos humanos, pela vida humana, pela não pena de morte e pela democracia", diz o jornalista angolano.

As inquietações dos signatários da carta estão próximas das posições públicas da Amnistia Internacional Portugal. O diretor-executivo, Pedro Neto, defende que, face ao incumprimento dos pressupostos que levaram à admissão do país na CPLP, "tem de haver uma revisão entre os pares sobre o que é que falta para que isso possa ser cumprido".

"E se não houver vontade e se assumir que não se vai cumprir, então os termos desta entrada têm que ser revistos e as consequências têm que ser as obvias", considera ainda Pedro Neto, que se manifestou preocupado com a presença na CPLP de um país que tem a pena de morte e que não mostra sinais de a querer eliminar.

"Não pode haver expulsão"

Pedro Neto

Pedro Neto, diretor-executivo da Amnistia Internacional Portugal

A Amnistia Internacional não encontra justificação válida para que isto não seja feito, nem argumentos válidos para os outros países membros não tomarem as devidas medidas, de modo a que a abolição da pena de morte possa, de facto, avançar naquele país.

"Até quando teremos de ouvir desculpas e até quando vai estar na CPLP um país que ainda tem a pena de morte?", questiona Pedro Neto.

A DW ouviu a propósito Ana Lúcia Sá, professora de Estudos Africanos no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), para quem também não houve progressos em matéria de respeito pelos direitos humanos, desde que a Guiné Equatorial entrou para a CPLP em 2014. No entanto, afirma existir neste processo um problema de princípio, que subsiste até agora, e é inerente aos próprios estatutos da organização. 

"A Guiné Equatorial entrou para a CPLP sem que o roteiro de adesão tivesse sido cumprido. Nos estatutos da CPLP, entre as medidas sancionatórias, não se prevê a expulsão. Prevê-se sim medidas que serão aplicadas em caso de violações graves de ordem constitucional, o que não se está a passar neste momento na Guiné Equatorial", esclarece a especialista portuguesa.

Ana Lúcia Sá reafirma que, "por este motivo, não poderá haver expulsão".

Assistir ao vídeo 07:17

Mobilidade é "crucial", defende presidente da CPLP

Leia mais