Covid-19: Cabo Verde suspende 13.300 contratos de trabalho | Cabo Verde | DW | 25.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Covid-19: Cabo Verde suspende 13.300 contratos de trabalho

Trabalhadores de 661 empresas são afetados pela suspensão temporária dos contratos devido à pandemia. Desde 01 de abril, empresas são beneficiadas por um modelo simplificado para a suspensão contratual.

Mais de 13.300 trabalhadores em Cabo Verde tiveram os seus contratos de trabalho suspensos devido à pandemia da Covid-19, anunciou o Governo cabo-verdiano este sábado (25.04).

Em 01 de abril, entrou em vigor um modelo simplificado para a suspensão de contratos de trabalho, por um período de três meses. Este modelo abrange as empresas que alegarem ser afetadas na sua atividade pela crise.

Assistir ao vídeo 02:35

Covid-19: As dificuldades dos mais pobres em Cabo Verde

De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Justiça e Trabalho, até 17 de abril, deram entrada na Direção Geral do Trabalho 13.332 pedidos de suspensão do contrato de trabalho, referentes a um total de cerca de 661 empresas.

Com esta medida governamental, os trabalhadores recebem 70% do seu salário bruto, que será pago em partes iguais pela entidade empregadora e pelo Estado, através do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS). A maior parte das empresas que acederam a este apoio é da ilha de Santiago (202). "A Brava era a única ilha sem registos de empresas com pedidos de suspensão do contrato de trabalho", refere o ministério.

Turismo afetado na ilha do Sal

Quanto ao número de contratos suspensos, a maioria é da ilha do Sal, a mais turística do arquipélago, afetando 5.123 trabalhadores. Muitas das empresas que recorreram a este regime excecional e temporário são do setor do turismo.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a crise provocada pela Covid-19 em Cabo Verde vai obrigar a um endividamento público adicional de 12.935 milhões de escudos (o equivalente a 117 milhões de euros) em 2020, para financiar medidas sociais, económicas e sanitárias.

As previsões constam de um relatório sobre o aval do FMI ao pedido de financiamento de 32,3 milhões de dólares, que corresponde a 30 milhões de euros, apresentado pelo Governo cabo-verdiano ao abrigo do programa de Facilidade Rápida de Crédito e aprovado por aquela organização na quinta-feira (23.04).

Este sábado, Cabo Verde registou dois novos casos da Covid-19, elevando para 90 o número de infetados.

Leia mais