Conselho Constitucional chumba recurso do candidato da RENAMO ao município de Maputo | Moçambique | DW | 04.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Conselho Constitucional chumba recurso do candidato da RENAMO ao município de Maputo

Conselho Constitucional moçambicano negou recurso apresentado pela RENAMO, contra rejeição da candidatura do seu cabeça-de-lista ao município de Maputo, Venâncio Mondlane.

O recurso "não deve ser admitido por falta de legitimidade processual ativa dos peticionários", diz o Acórdão n.º 8 /CC/2018, de 03 de setembro, divulgado esta terça-feira (04.09) em Maputo.

A decisão, tomada pelos seis juízes conselheiros do Conselho Constitucional (CC), assinala que a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e Venâncio Mondlane não têm legitimidade para pedir a declaração de inconstitucionalidade das normas usadas pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) para desqualificar a candidatura do cabeça-de-lista do principal partido da oposição.

"O Conselho Constitucional não pode lançar mão do dispositivo constitucional ali invocado, recusando-se a aplicar as normas postas em crise pelos recorrentes e consequentemente declará-las inconstitucionais", lê-se no texto.

O texto elenca as entidades com poder de pedir a inconstitucionalidade de normas no quadro jurídico moçambicano e dela não constam partidos políticos nem pessoas individuais.

Decisão da CNE

A  RENAMO e Venâncio Mondlane recorreram ao Conselho Constitucional no mês passado da decisão da CNE de afastar o cabeça-de-lista às eleições municipais de 10 de outubro na capital.

A CNE considerou Venâncio Mondlane inelegível ao escrutínio pelo facto de em 2013 ter renunciado a membro do conselho municipal de Maputo para ocupar a cadeira de deputado à Assembleia da República (AR).

O político concorreu à AR pelo Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido, mas abandonou esta formação política no mês passado para se juntar à RENAMO. 

RENAMO reage

O mandatário da RENAMO, André Magibire, em declarações a DW África, lamentou este posicionamento do Conselho Constitucional e afirma que "antes até de se levantar essa questão de eleição o órgão competente para verificar a inconstitucionalidade da lei já devia ter feito isso. Então, se não o fez e dizer que até que o órgão competente julgue inconstitucional as leis presume-se que todas sejam constitucionais eu não sei aonde é que nós queremos chegar com isso”.

Ouvir o áudio 02:30
Ao vivo agora
02:30 min

Conselho Constitucional chumba recurso do candidato da RENAMO ao município de Maputo

André Magibire disse que os passos seguintes são continuar a trabalhar no âmbito do processo eleitoral. Disse ainda que a Comissão Política do Partido vai decidir sobre a substituição de Venâncio Mondlane, uma figura que segundo as suas palavras ía dar um outro dinamismo à cidade de Maputo

“Lamentamos bastante que não temos aquela pessoa a quem nós tínhamos apostado que é o Venâncio Mondlane com o apoio que goza na cidade de Maputo. Houve, de facto, má fé. O que está a acontecer é a tentativa de excluir os adversários e declarar o partido no poder vencedor com a exclusão dos seus adversários até antes das eleições.” 

Questionado se a decisão do Conselho Constitucional poderá afetar as conversações em curso entre o Governo e a RENAMO, Magibire disse que o seu partido gostaria de separar as coisas.

Perseguições políticas

Lamenta, no entanto, o que descreveu como perseguições políticas de que estão a ser vítimas os seus membros num momento em que decorre o diálogo para trazer uma paz efetiva e duradoura para o país.

Mosambik: Ossufo Momade, Chef der größten Oppositionspartei RENAMO (Getty Images/A. Barbier)

Ossufo Momade

“Se vai afetar ou não os desenvolvimentos... o futuro é que vai dizer. Como disse o coordenador interino do partido, Ossufo Momade, numa teleconferência na semana passada, apesar de tudo isto que está a acontecer nós continuamos empenhados a apostar na via do diálogo para ultrapassar as diferenças que existem”. 

O mandatário da RENAMO acrescentou que o seu partido continuará ainda a lutar para que Moçambique seja de facto "um pais de direito democrático onde as instituições da justiça não se cinjam a receber apenas ordens politicas de quem quer que seja".

Depois do recurso da  RENAMO, que acaba de chumbar, o Conselho Constitucional deverá deliberar igualmente nos próximos dias sobre a rejeição pela Comissão Nacional de Eleições da candidatura de Samora Machel Júnior, pela associação AJUDEM. Ambos os casos reportam-se às próximas eleições autárquicas na cidade de Maputo.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados