África do Sul: Caça furtiva de rinocerontes aumentou 50% nos primeiros seis meses | NOTÍCIAS | DW | 01.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

África do Sul: Caça furtiva de rinocerontes aumentou 50% nos primeiros seis meses

Após uma diminuição de abates devido à pandemia e Covid-19 durante o ano de 2020, a caça furtiva de rinocerontes aumentou na primeira metade de 2021 na África do Sul, onde vive a maior colónia do mundo destes animais.

Nashörner im Krüger-Nationalpark, Südafrika

Rinocerontes no Parque Nacional Kruger, na África do Sul.

Na África do Sul, os rinocerontes estão de novo a ser cada vez mais mortos por caçadores furtivos. Após um declínio durante o ano pandémico de 2020, pelo menos 249 animais foram mortos nos primeiros seis meses deste ano.

O Ministério das Florestas, Pescas e Ambiente sul-africano afirmou neste sábado (31.07), através de uma declaração, que, entre janeiro e o final de junho deste ano, 249 rinocerontes foram abatidos na África Austral. 

"Embora este número seja superior ao número de rinocerontes mortos, pelos seus chifres, no mesmo período do ano passado, 166, é inferior aos 318 rinocerontes caçados nos primeiros seis meses de 2019", disse este ministério do Governo de Cyril Ramaphosa. 

Como habitualmente, a maioria destas novas mortes (132) ocorreu no Parque Nacional Kruger (nordeste), uma das maiores reservas naturais de África e onde vive a maioria da população rinoceronte da África do Sul.

Südafrika Grenze Mosambik Nashörner Soldat gegen Wilderer

Soldado sul-africano patrulha na fronteira com Moçambique para proteger o Parque Nacional Krüger de caçadores furtivos.

"Dia Mundial dos Rangers"

A África do Sul divulgou estes dados oficiais por ocasião do Dia Mundial dos Rangers (31.07), juntamente com uma mensagem de agradecimento aos encarregados da guarda da natureza selvagem da África do Sul, mesmo correndo risco das suas vidas.          

Os números ascendentes para o primeiro semestre deste ano seguem-se a outro (2020) em que a caça furtiva destes grandes mamíferos em perigo de extinção tinha sido significativamente reduzida (-33%). 

Mas este feito tinha sido alcançado em grande parte devido às circunstâncias especiais impostas pela pandemia, em particular as limitações à circulação, tanto dentro do país como internacionalmente, devido à pandemia de Covid-19.

A África do Sul manteve as suas fronteiras fechadas entre março e outubro de 2020. 

Com a reabertura do país, no final do ano passado já se tinha verificado um aumento do número de mortes em relação ao primeiro semestre de 2020.

Assistir ao vídeo 03:59

África do Sul: A vida selvagem em tempos de Covid-19

Apesar dos números

Apesar destes números, a ministra Barbara Creecy considera que a estratégia multidisciplinar implementada pelo Governo sul-africano e o "trabalho" dos atores envolvidos continua a ser um "sucesso", pois conseguiu inverter a tendência dos perigosos níveis que a caça aos rinocerontes tinha atingido na década anterior a 2018. 

O número de rinocerontes abatidos subiu de 13 animais mortos em 2007 para 1.215 rinocerontes caçados em 2014, uma tendência que pôs seriamente em perigo a sobrevivência da espécie a médio prazo. 

Os caçadores furtivos procuram chifres de rinocerontes, que são vendidos principalmente nos mercados asiáticos, onde se acredita terem propriedades curativas e afrodisíacas.

Assistir ao vídeo 01:21

África do Sul pune caça furtiva de rinocerontes