União Africana disponível para acompanhar transição no Mali | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 26.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

União Africana disponível para acompanhar transição no Mali

Presidente da Comissão da União Africana reuniu-se com o líder do governo de transição do Mali, coronel Assimi Goita, e sublinhou disponibilidade da organização em acompanhar o processo de devolução do poder aos civis.

Moussa Faki: Mobilizamos o continente e os seus parceiros para apoiar o Mali

Moussa Faki: "Mobilizamos o continente e os seus parceiros para apoiar o Mali"

Moussa Faki Mahamat, presidente da Comissão da UA, iniciou segunda-feira uma visita a Bamako e reuniu-se, além de Goita - que liderou dois golpes militares, em agosto de 2020 e maio de 2021 - e com o primeiro-ministro de transição, Choguel Kokalla Maiga.

"Mobilizamos o continente e os seus parceiros para apoiar o Mali a ultrapassar a atual crise e estabelecer um Estado forte no interesse do povo maliano, da região e de todo o continente", disse à imprensa o dirigente africano no final do encontro com Goita.

Mahamat pediu a Goita que tenha em conta a situação de segurança "multidimensional e particular" que o Mali atravessa há uma década.

Relativamente às sanções impostas pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) contra o Mali após o governo de transição ter decidido adiar as eleições marcadas para o próximo mês de fevereiro, Mahamat salientou que "o mais importante é ver como apoiar a transição no Mali".

Coronel Assimi Goita

Coronel Assimi Goita

Alcançar entendimentos

O responsável da União Africana insistiu na importância de, "numa base consensual, se alcançarem entendimentos que preservem os interesses fundamentais" do Mali, "tendo em conta os textos que regem" a União Africana.

Por seu lado, o primeiro-ministro do Mali disse também à imprensa, após o encontro com Mahamat, que o seu país conta com a União Africana para sair da atual crise.

"Estamos convencidos de que com eles [União Africana] e com a CEDEAO encontraremos uma forma de entendimento para que o Mali ocupe o lugar que nunca deveria deixar na organização da CEDEAO", disse o primeiro-ministro do Mali, que tinha ao seu lado nas declarações à imprensa o presidente da Comissão da União Africana.

Maiga acrescentou que a prorrogação do período transitório até cinco anos foi decidida pelos malianos nos Encontros Nacionais de Refundação, o que, segundo o primeiro-ministro, permitiu ao governo de transição determinar os projetos prioritários.

"Pedimos à comunidade internacional que respeite a soberania do nosso país, respeite os interesses supremos do país", concluiu.

 

Leia mais