Uli Hoeneß: conheça a história do ″El Dorado″ do futebol alemão | Mediateca – Todo o conteúdo – DW África | DW | 30.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Uli Hoeneß: conheça a história do "El Dorado" do futebol alemão

O dirigente de 67 anos deixará a gestão do FC Bayern Munique, depois de 40 anos de muito sucesso. Hoeneß tirou o Bayern Munique da falência e transformou-o num dos clubes mais poderosos do futebol mundial.

Passou de rumor a oficial: Uli Hoeneß vai deixar a presidência do FC Bayern de Munique, heptacampeão da Bundesliga.

O mandato do dirigente alemão de 67 anos, termina dentro de três meses e oficialmente, será o último. O ex-jogador de futebol não voltará a concorrer à chefia máxima do clube com mais sucesso da Bundesliga, com o qual tem ligação há quarenta anos.

Em comunicado oficial, o Bayern Munique acrescentou ainda, que Uli Hoeneß irá também renunciar à presidência do Conselho de Supervisão. Contudo, permanecerá como apenas membro do Conselho de Supervisão.

Confira o comunicado oficial do Bayern Munique:

"Uli Hoeneß não se irá candidatar à presidência do clube na próxima Assembleia Geral Anual do FC Bayern Munique, no dia 15 de novembro de 2019. Na quarta-feira (28.08), Uli Hoeneß informou os restantes membros do Comité Executivo, Prof Dr. Dieter Mayer e Walter Mennekes, e posteriormente, o Conselho Consultivo do FC Bayern Munique, sobre a decisão. Na quinta-feira (29.08), Hoeneß informou o Conselho de Supervisão do Bayern Munique e tornou a decisão pública.

Uli Hoeneß recomenda a nomeação de Herbert Hainer, como seu sucessor na presidência do Bayern Munique, aos membros do Conselho Consultivo, que têm o dever regulamentar de nomear candidatos para a presidência do clube.

Após a discussão, o Conselho Consultivo decidiu por unanimidade propor Herbert Hainer como candidato a presidente do clube.

Além disso, o Conselho Consultivo decidiu por unanimidade nomear novamente o Prof. Dr. Dieter Mayer (primeiro vice-presidente) e Walter Mennekes (segundo vice-presidente) como candidatos a seus respetivos cargos.

Uli Hoeneß informou o Conselho Fiscal do FC Bayern de Munique, que renuncia à presidência do Conselho Fiscal na primeira reunião da Assembleia Geral Anual. No entanto, Uli Hoeneß irá continuar como membro do Conselho Fiscal pela duração da sua nomeação até novembro de 2023."

De 6 para 600 milhões de euros

Durante o reinado de Hoeneß, o Bayern transformou-se numa máquina de fazer dinheiro. Entre 2002 e 2005, o Bayern Munique construiu um estádio de última geração, a Allianz Arena, que custou aproximadamente 340 milhões de euros. 

A 1 de maio de 2019, Hoeneß comemorou 40 anos de trabalho no Bayern Munique. Quando Hoeneß entrou como dirigente do clube, no dia 1 de maio de 1979, o Bayern tinha doze funcionários, seis milhões de euros em receitas e quatro milhões de euros de dívida. Atualmente, o Bayern tem mais de mil funcionários e as receitas geradas andam perto do 660 milhões de euros.

Legado d´ouro

Logo após se aposentar como jogador em maio de 1979, Hoeneß foi nomeado gestor comercial e diretor-geral do Bayern de Munique. A 27 de novembro de 2009, após 30 anos em funções mais ligadas à gestão comunicacional e económica do clube da Baviera, Hoeneß foi eleito presidente do Bayern. Desde a chegada de Hoeneß em 1979, o clube alemão conquistou 24 títulos da Bundesliga, 14 Taças da Alemanha, duas Ligas dos Campeões, uma Taça UEFA, uma Supertaça Europeia, um Mundial de Clubes FIFA e uma Taça Intercontinental.

Prisão

Esta "era de ouro" foi interrompida a 20 de abril de 2013, altura em que Uli Hoeneß começou por ser investigado suspeito de fuga ao fisco. Foi relatado que Hoeneß teria uma conta bancária na Suíça, com o objetivo de evitar impostos sobre as receitas provenientes de investimentos. A tal falta de pagamento de impostos ao Estado alemão ascenderia aos sete milhões de euros.

Menos de um ano depois, o processo avançou e Hoeneß foi a julgamento no dia 10 de março de 2014, acusado de fuga ao fisco. Apesar da acusação, o conselho supervisor do FC Bayern Munique manteve a confiança em Hoeneß.

Durante o julgamento, Hoeneß admitiu não ter pago 28,5 milhões de euros em impostos. Posteriormente, ele foi considerado culpado de sete acusações graves de fuga de impostos e sentenciado a três anos de prisão, a 13 de março de 2014. No dia seguinte, Hoeneß renunciou ao cargo de presidente do Bayern Munique e anunciou que não iria apresentar qualquer recurso à pena. Hoeneß saiu em liberdade a 29 de fevereiro de 2016.

Cinco meses depois de cumprir a pena de prisão, Uli Hoeneß anunciou que ía concorrer à presidência do Bayern Munique. A 25 de novembro, Uli Hoeneß foi eleito presidente do clube bávaro, com 97% dos votos, sem qualquer concorrente.