Quem está por detrás da morte do embaixador italiano na RDC? | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Quem está por detrás da morte do embaixador italiano na RDC?

Autoridades congolesas acusam os rebeldes das Forças Democráticas pela Libertação de Ruanda (FDLR) de terem assassinado o embaixador italiano Luca Attanasio. FDLR negam acusações e culpam os exércitos da RDC e do Ruanda.

Soldados da MONUSCO patrulham a estrada onde o embaixador italiano foi morto

Soldados da MONUSCO patrulham a estrada onde o embaixador italiano foi morto

O embaixador Luca Attanasio, o guarda italiano Vittorio Iacovacci, que acompanhava o diplomata, e o motorista congolês Moustapha Milambo perderam a vida na segunda-feira (22.02) quando a comitiva em que seguiam do Programa Mundial de Alimentação (PAM) foi surpreendida por um tiroteio perto de Goma, no leste do Congo. A comitiva seguia em direção a Rutshuru, em missão de serviço.

O governador da província do Kivu Norte, Carly Nzanzu, disse à DW que os atacantes eram combatentes das Forças Democráticas para a Libertação do Congo (FDLR). "De acordo com as nossas informações, os seis atacantes falaram Kinyarwanda e os grupos armados na região onde o ataque aconteceu são na sua maioria FDLR. Mas de acordo com informações preliminares, acreditamos que são FDLR localizadas nesta região de Kibumba", esclareceu.

Segundo o governador, a intenção dos atacantes era raptar a delegação do embaixador e tentar exigir um resgate. "De acordo com os sobreviventes, os rebeldes queriam dinheiro do embaixador", adiantou Carly Nzanzu.

Rebeldes negam autoria do ataque

Entretanto, os rebeldes das FDLR já negaram a autoria do ataque contra a comitiva do PMA que resultou na morte do embaixador italiano e acusaram os exércitos da RDC e do Ruanda.

"Rejeitamos categoricamente isto. A FDLR não tem nada a ver com este crime. Não temos nada a ver com este tipo de homicídio. Dizer que os atacantes falaram Kinyarwanda não culpa a FDLR porque estamos numa área onde o Kinyarwanda é muito falado", disse o porta-voz das FDLR, Cure Ngoma.

Italienischen Botschafters im Kongo, Luca Attanasio

Luca Attanasio era embaixador na RDC desde o início de 2018

Os rebeldes das FDLR referem que o embaixador foi atacado perto da fronteira ruandesa, "não longe de uma posição das Forças Armadas da República Democrática do Congo e dos soldados ruandeses."

Questionado sobres os motivos que estariam por detrás da acusação feita pelas autoridades congolesas contra as FDLR, o analista Fredrick Mutebi lembra que há muitos grupos a vaguear por aquela região. "Podem ser as FDLR ou qualquer outro grupo. Além disso, existem outros congoleses de língua kinyarwanda", recorda.

Mutebi diz que a região onde o incidente ocorreu tem sido alvo de operações conjuntas entre o exército congolês e ruandês, que procuram controlar as incursões de grupos armados na região. "Não é suficiente dizer que as FDLR são as únicas responsáveis. Enquanto não for levada a cabo uma investigação exaustiva, não podemos facilmente saber quem está por detrás deste ataque", conclui.

O Presidente da República Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, condenou o ataque e prometeu um inquérito para esclarecer as circunstâncias do incidente.

Itália pede à ONU investigação urgente

A Itália pediu às Nações Unidas a abertura de um inquérito e "respostas claras" sobre a morte do embaixador. A posição de Roma foi demonstrada hoje pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Luigi de Maio.

"Nós pedimos formalmente ao PAM e à ONU a abertura de um inquérito para que se faça luz sobre o que se passou, as razões que justificam o sistema de segurança que tinha sido implementado e quem é o responsável por estas decisões", disse o chefe da diplomacia do governo de Itália no Parlamento de Roma. 

"Dissemos também que esperamos, o mais rapidamente possível, respostas claras e exaustivas", acrescentou o ministro.  

Os corpos do embaixador de 43 anos e do guarda-costas italiano que o acompanhava já foram trasladados na terça-feira (23.02) para Roma. 

Assistir ao vídeo 02:11

Acerto de contas com o passado colonial da Bélgica no Congo

Leia mais