População de Chibuto descontente com indemnizações de empresa chinesa | Moçambique | DW | 26.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

População de Chibuto descontente com indemnizações de empresa chinesa

Mais de 200 famílias de Chibuto, sul de Moçambique, estão de costas voltadas com a mineradora chinesa Ding Sheng. As comunidades acusam a empresa de não pagar as indemnizações combinadas a propósito do reassentamento.

Extração de areias pesadas continua a gerar críticas: Na foto, operações na Kenmare em Moma

Extração de areias pesadas continua a gerar críticas: Na foto, operações na Kenmare em Moma

Em causa estão 229 famílias das comunidades de Mudada, Mudumeia, Mutsikwane, Mabekwane e Savene, abrangidas pela área das areias pesadas, que foi concedida pelo Governo à empresa chinesa Ding Sheng, no distrito de Chibuto, na província de Gaza.

A empresa deverá transferir as famílias para uma zona de reassentamento, além de pagar indemnizações por cada cajueiro na zona a ser explorada. Entretanto, os residentes ameaçam permanecer no local e acusam a mineradora de não pagar as indemnizações combinadas.  

Julião Macuacua, que pertence a uma dessas famílias, diz que a empresa está disposta a pagar um valor inferior ao que já foi pago aos residentes de outra área do distrito, onde foram construídas uma fábrica e casas para o reassentamento.

Ouvir o áudio 03:19

População de Chibuto descontente com indemnizações chinesas

"O valor a pagar foi mudado, quando se fala de três mil por cajueiro, conta o habitante. "Como é que alguém com dois cajueiros pode reinserir-se numa nova zona?", questiona Julião Macuacua, que lembra que as promessas de transferência de famílias previstas para 2017 ainda não se concretizaram e só atrasam as vidas das comunidades.

A plantação de caju é o principal sustento das famílias de Chibuto. O líder comunitário de Mudumeia, Eduardo Macuacua, lamenta que a mineradora tenha mudado o valor das indemnizações. "A empresa não está a fazer as coisas como a população quer, agora já mudaram os valores [das indemnizações]. Se as coisas não voltarem a estar como estavam da primeira vez, parece que a empresa não vai continuar aqui", diz.

Falta de transparência no setor

Alménio Langa, do Conselho Cristão de Moçambique em Gaza, afirma que falta transparência na extração mineira em Chibuto e no país em geral. "Se houver transparência, há-de haver cumprimento da lei. Já estão a proceder à extração, estão a trabalhar efetivamente, a lei diz que só se iniciam as atividades após a retirada das comunidades", sublinha.

Assistir ao vídeo 05:11

O boom do carvão em Moçambique

O diretor provincial dos Recursos Minerais e Energia e chefe da comissão do reassentamento, Castro Elias, reconhece que o valor das indemnizações proposto pela empresa é o mínimo estipulado por uma tabela aprovada pelo Governo, o equivalente a 171 euros por cada cajueiro.

"Doze mil meticais (171 euros) por cada cajueiro: a proposta foi da empresa, o Governo nunca iria dizer que este valor é muito, porque as nossas comunidades têm direito, mas existe uma tabela aprovada que dá o valor mínimo", afirma.

A empresa chinesa Ding Sheng ainda não construiu o regadio para o sustento das famílias nem um local para o pastoreio dos animais. A lei moçambicana também exige a construção de uma escola técnica. Ainda assim, quer transferir as famílias para a zona do reassentamento em Mudumeia, por ter já concluído a construção de 489 casas convencionais.

A DW África procurou ouvir a mineradora, mas os representantes da Ding Sheng informaram, por telefone, que não podiam prestar informação, porque a população estava de costas voltadas com a empresa e o Governo.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados