Personalidades moçambicanas sofrem três atentados em 10 dias | Moçambique | DW | 19.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Personalidades moçambicanas sofrem três atentados em 10 dias

António Sautane Chulo, segundo Vice-Presidente da Assembleia Provincial de Inhambane, Moçambique, é o terceiro atentado em menos de duas semanas contra proeminentes personalidades moçambicanas.

Em Moçambique, o segundo Vice-Presidente da Assembleia Provincial de Inhambane, indicado pelo maior partido da oposição (RENAMO), António Sautane Chulo, foi baleado esta segunda-feira (18.04.2016) à noite, a escassos metros da sua residência, na cidade da Maxixe.

O político escapou com vida. Desconhece-se, até ao momento, a identidade dos autores do crime que ainda se encontram à monte.

Queima de arquivo?

António Sautane Chulo foi atingido por três tiros. Afetado no ombro, na coluna e no abdómen, recebe cuidados no hospital provincial de Inhambane.

A bancada da RENAMO na Assembleia provincial reagiu ao ocorrido, por meio de seu membro Mamudo Ben Ager: “A RENAMO está muito preocupada com o seu colega e está a prestar, neste momento, a sua solidariedade. Nós estamos a acompanhar a situação em relação a esta triste notícia”.

A polícia ainda não se pronunciou sobre o atentado, o terceiro em menos de duas semanas contra proeminentes personalidades.

Anteriormente, foi alvejado mortalmente a tiro José Manuel, membro do Conselho Superior da Defesa e Segurança, indicado pela RENAMO, na Beira em 09.04.2016. Dias depois, na cidade da Matola, o Procurador Principal afeto à cidade de Maputo, Marcelino Vilanculos. Este último tinha em mãos dossiês relacionados com a onda de raptos que abala Moçambique.

A onda de raptos

Polizei Mosambik

Polícia afirma que as investigações prosseguem para identificar os aurtores dos crimes

Até ao momento, a polícia não realizou qualquer detenção ligada a estes casos. A corporação diz que as investigações para identificar os autores dos crimes prosseguem.

Ultimamente, o país está a registar um novo fenómeno caraterizado pelo rapto e assassinato de militantes e responsáveis de base dos dois principais partidos moçambicanos, a FRELIMO e a RENAMO.

Para o analista Fernando Lima trata-se de “uma guerra suja” protagonizada por vários atores. “ O objetivo é espalhar o terror e o temor, uma vez que estes dirigentes de base não gozam da mesma proteção que os dirigentes ao nível central”.

Segundo Lima, como consequência destes atos “há muitos membros das Assembleias Provinciais - nomeadamente da RENAMO (porque tem sido mais notório na RENAMO e não no partido no poder), na zona centro - que não vão a reuniões das Assembleias Provinciais porque estão numa situação que, na prática, corresponde a estarem na clandestinidade".

Ouvir o áudio 02:30
Ao vivo agora
02:30 min

Personalidades moçambicanas sofrem três atentados em 10 dias

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados