Parlamento de Cabo Verde aprova Orçamento ao som de críticas | Cabo Verde | DW | 13.12.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cabo Verde

Parlamento de Cabo Verde aprova Orçamento ao som de críticas

PAICV e UCID dizem que Orçamento do Estado 2018 trará mais dificuldades às famílias cabo-verdianas. MpD, no poder, afirma que gestão dos recursos financeiros no próximo ano vai incentivar inclusão.

Sessão no Parlamento de Cabo Verde

Sessão no Parlamento de Cabo Verde

O Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2018 foi aprovado esta terça-feira (12.12) com a maioria dos votos do partido Movimento para a Democracia (MpD).

"A proposta foi votada favoravelmente com 34 votos a favor do MpD e 25 votos contra, sendo 22 do PAICV [Partido Africano da Independência de Cabo Verde] e três da UCID [União Cabo-verdiana Independente e Democrática]", anunciou o presidente da Assembleia Nacional cabo-verdiana, Jorge Santos.

O Orçamento para o ano que vem está estimado em 554,7 milhões de euros e tem uma previsão de receitas de 503,1 milhões de euros. A projeção de crescimento económico é de 5,5%, sendo que a inflação não deverá ultrapassar 1%, a uma taxa de desemprego de 12,5%. A dívida pública cabo-verdiana deverá situar-se nos 132,2% do Produto Interno Bruto (PIB), atingindo os 2,1 mil milhões de euros.

Os direitos de importação para laticínios e sumos de fruta serão aumentados e passarão a ter, respetivamente, uma taxa aduaneira de 20% e 35%.

Este foi um dos motivos que levaram a UCID a votar contra a proposta de Orçamento. "Votamos contra pela razão do aumento significativo dos preços de água, sumos de fruta, leite e iogurte importados, o que trará maiores dificuldades às famílias cabo-verdianas em 2018", assinalou a deputada Dora Oriana Pires.

"Esta lei do Orçamento de Estado para 2018 não lança sementes para o investimento equilibrado entre as ilhas e nem cultiva um bom ambiente social e rendimento para as famílias cabo-verdianas", acrescentou a deputada.

Ouvir o áudio 02:58

Parlamento de Cabo Verde aprova Orçamento ao som de críticas

Orçamento contrário às aspirações dos cabo-verdianos

O deputado e secretário-geral do PAICV, Julião Varela, entende que o Orçamento para 2018 não corresponde às necessidades e aspirações dos cabo-verdianos.

"Com este Orçamento, o terceiro de um mandato de cinco anos, o MpD diz claramente aos cabo-verdianos que não se deve confiar nas promessas eleitorais, que os programas de Governo são apenas para cumprir os requisitos constitucionais e que o MpD só promete para ganhar as eleições. Este Orçamento não passa de mais um plano de intenções, muita retórica e poucas medidas", diz.

Da parte do MpD, o deputado Luís Carlos Silva afirma que o Orçamento de Estado para 2018 tem um forte rosto social. "O MpD votou a favor deste Orçamento, porque assume o pilar social como a sua imagem de marca, sendo que a maior fatia orçamental - cerca de dez milhões de contos (100 milhões de euros) - é reservada à inclusão social das famílias mais desfavorecidas", explica.

O ministro das Finanças, Olavo Correia, mostrou-se satisfeito com a forma como decorreu o debate e sublinhou a importância da aprovação do Orçamento.

"Foi um bom debate com confronto de ideias, posições e o contraditório, mas o mais importante é que nos possamos focar no crescimento económico, geração de empregos, aumento de rendimento das famílias, na criação de um ambiente de negócios para que as empresas possam operar, estender o negócio, e que possamos ter uma sustentabilidade económica", declarou.

O Orçamento de Estado para 2018 prevê o aumento do Salário Mínimo Nacional de 100 para 120 euros. Na mesma sessão, os deputados também aprovaram o Orçamento Privativo da Assembleia Nacional para o próximo ano, no valor de cerca de 8 milhões de euros.

Leia mais