Nyusi afirma que terroristas assassinaram cinco membros em ataque a aldeia | NOTÍCIAS | DW | 22.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Nyusi afirma que terroristas assassinaram cinco membros em ataque a aldeia

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse hoje que os grupos armados que atuam no norte do país assassinaram cinco membros dos terroristas durante ataque falhado à aldeia de Olumbe, Palma, na noite de sexta-feira.

Mosambik | Matemo-Insel in der Provinz Cabo Delgado

(Foto de arquivo).

Filipe Nyusi divulgou o acontecimento falando no discurso de abertura da IV sessão do Comité Central da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO),  partido no poder, do qual o chefe de Estado é também presidente.

"Ainda [hoje] quando entrava [na sala da sessão do Comité Central] os oficiais [militares] me comunicaram que ontem à noite, no final do dia, tentaram entrar em Olumbe", afirmou o chefe de Estado moçambicano.

O Presidente moçambicano avançou que a suposta execução de membros dos terroristas mostra o nível de impiedade dos terroristas que atuam na província de Cabo Delgado, norte do país. 

Entretanto, Filipe Nyusi não deu detalhes sobre as circunstâncias em que tais mortes ocorreram.

Infografik Karte Cabo Delgado Mozambik PT

Cabo Delgado

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo 'jihadista' Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.500 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 714 mil deslocados, de acordo com o Governo moçambicano.

O mais recente ataque foi feito em 24 de março contra a vila de Palma, provocando dezenas de mortos e feridos, num balanço ainda em curso.

As autoridades moçambicanas recuperaram o controlo da vila, mas o ataque levou a petrolífera Total a abandonar por tempo indeterminado o recinto do projeto de gás com início de produção previsto para 2024 e no qual estão ancoradas muitas das expectativas de crescimento económico de Moçambique na próxima década.

Assistir ao vídeo 02:18

Cabo Delgado: Pemba espera por mais deslocados de Palma