″Número dois″ da Junta Militar da RENAMO abandona Mariano Nhongo | Moçambique | DW | 12.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

"Número dois" da Junta Militar da RENAMO abandona Mariano Nhongo

Entregou-se às autoridades o suposto "número dois" da Junta Militar da RENAMO. Paulo Filipe Nguirande afirma que está farto de lutar e por isso entregou a arma e vai integrar o processo de DDR.

Paulo Filipe Nguirande apresentou-se como o Chefe do Estado-Maior da autoproclamada "Junta Militar", dissidente da RENAMO, o maior partido da oposição, e liderada por Mariano Nhongo.

Segundo a polícia, Nguirande foi intercetado pelas tropas governamentais em Gorongosa. Na sequência disto, foi conduzido a uma esquadra local, onde depositou a sua arma.

"Na altura portava a sua arma de fogo, que é do tipo AKM, com cinco munições, arma esta que se encontra depositada no comando distrital de Gorongosa", contou esta sexta-feira (12.02) Daniel Macuácua, porta-voz da polícia na província central de Sofala.

"A idade que tenho não é de guerra"

Nguirande disse que era o braço direito de Nhongo desde 2019, mas que está velho de mais para combater.

"Eu vim entregar a arma porque a idade que tenho não é de guerra. Ele tinha me enganado. Eu vi que o corpo não favorece em nada, já não dá, porque a guerra acabou há 16 anos", argumentou. 

 RENAMO Guerillakämpfer in Gorongosa, Mosambik

Mariano Nhongo, líder da Junta Militar

O ex-combatente diz que deixou a "Junta Militar" em novembro do ano passado. Depois andou fugido: "Não podia despedir-me deles porque estavam a negar [a minha saída]. Tinha que fugir, levar a arma e depois vir entregar... Eles ficaram mais ou menos sete", revela Nguirande.

Atraído pelo DDR?

Nguirande aconselha outros militares a fazerem como ele, entregarem as armas e aderirem ao processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR).

A polícia diz que, diferentemente de outros guerrilheiros, Nguirande não será alvo de um processo criminal porque será integrado no DDR.

A "Junta Militar" da RENAMO, liderada pelo general Mariano Nhongo, foi oficialmente anunciada a 19 de agosto de 2019, sete meses depois de Ossufo Momade ser escolhido como presidente do partido.

O grupo contesta a eleição de Momade e exige a renegociação do acordo de paz de 2019 entre o Governo e a maior força política da oposição.

Artigo atualizado às 20:33 (CET) de 12 de fevereiro de 2021

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

Leia mais