Moçambique: Ossufo Momade pede que jovens se oponham a Nhongo | Moçambique | DW | 17.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Ossufo Momade pede que jovens se oponham a Nhongo

Numa tentativa de unificação da RENAMO na Zambézia, o líder do partido da oposição apelou aos jovens para não se envolverem nos ataques armados conduzidos pela autoproclamada "Junta Militar" da RENAMO no centro do país.

Líder da RENAMO, Ossufo Momade

Ossufo Momade, líder da RENAMO, numa visita a Quelimane

O líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) está desde terça-feira (15.12) na província da Zambézia, centro de Moçambique, onde tem reiterado os seus apelos pela paz.

Num encontro com jovens do maior partido da oposição moçambicana à porta fechada, Ossufo Momade suplicou aos mais novos para não se envolverem nos ataques armados.

Jovens apoiadores da RENAMO na província da Zambézia, Moçambique

Ossufo Momade reuniu-se com jovens numa tentativa de unificar a RENAMO na província da Zambézia

E não só na província nortenha de Cabo Delgado, mas também nos ataques protagonizados pela autoproclamada "Junta Militar", grupo dissente do principal partido da oposição.

"Meus amigos jovens, o país enfrenta conflitos armados em Cabo Delgado e nas províncias de Manica e Sofala que tem criado destruições independentemente das motivações", disse.

"Nós, a RENAMO, repudiamos esses atos bárbaros, porque nada justifica o assassinato de cidadãos civis e indefesos. Apelamos aos nossos jovens a não aderir esses atos que colocam em causa a vida do nosso povo", acrescentou. 

Desentendimentos

Paulino Lenço, primeiro secretário da FRELIMO na Zambézia, Moçambique

Paulino Lenço, da FRELIMO: "A RENAMO é um partido dos bandidos armados"

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), o partido no poder, e a RENAMO trocam muitas vezes acusações sobre os ataques armados no centro de Moçambique. Enquanto a RENAMO nega o envolvimento nos ataques, a FRELIMO nunca se convenceu.

"A RENAMO só diz: agora é a RENAMO de Nhongo que está a matar e é a mesma RENAMO de ontem que estava a matar. A RENAMO é um partido dos bandidos armados, continua nas matas. Não há outra coisa", afirma Paulino Lenço, primeiro secretário da FRELIMO na Zambézia.

Sobre o recente rapto do ex-deputado da RENAMO Sofrimento Matequenha, em pleno dia, na cidade de Chimoio, província de Manica, Ossufo Momade limitou-se a dizer que não tem conhecimento sobre este caso.

Ossufo Momade prossegue esta quinta-feira (17.12) a visita à Zambézia com um encontro com a Liga da Mulher. Na sexta-feira (18.12), encontra-se com ex-guerrilheiros que clamam pelo processo de Desarmamento, Desmobilizaçao e Reintegração Social (DDR). A ideia é convencer os antigos guerrilheiros a entregar livremente as armas.

Assistir ao vídeo 02:52

Moçambique: Desmobilizados da RENAMO vivem com medo

Leia mais