Moçambique: ″Junta Militar″ diz que confronto junto a base de guerrilheiros não teve baixas | Moçambique | DW | 07.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: "Junta Militar" diz que confronto junto a base de guerrilheiros não teve baixas

Mariano Nhongo, tenente-general da RENAMO, diz que confronto armado desta sexta-feira (06.09), envolvendo guerrilheiros da autoproclamada Junta Militar e forças de segurança, não provocou baixas entre membros do grupo.

 RENAMO Guerillakämpfer in Gorongosa, Mosambik (DW/A. Sebastiao)

Mariano Nhongo

O confronto armado que nesta sexta-feira (06.09) envolveu guerrilheiros da autoproclamada Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) e forças de segurança, segundo anunciado pelo seu líder, Mariano Nhongo, não provocou baixas entre os membros do grupo.

Mariano Nhongo descreveu um ataque que tinha como alvo uma base em Chipindaumwe, distrito de Gôndola, no centro de Moçambique, e atribuiu a sua responsabilidade a forças de defesa e segurança moçambicanas.

"Os meus homens [guerrilheiros] estão bem", precisou Mariano Nhongo, tenente-general da RENAMO, que não reconhece a liderança do partido, nem os acordos de paz.

Junta Militar

Mosambik RENAMO-Militärjunta in Gorongosa (DW/A. Sebastião)

Junta Militar em Gorongosa

A autodenominada Junta Militar, desde que se rebelou, em junho, ameaça usar as armas para se fazer ouvir.

 "Os meus homens foram atacados na base e responderam", disse Mariano Nhongo, adiantando que o confronto durou até ao princípio da tarde, numa mata distante da povoação.

A base fica perto do local onde, na quinta-feira, um autocarro de passageiros foi alvo de tiros por desconhecidos, provocando três feridos, junto ao rio Pungue, entre os distritos de Nhamatanda e Gorongosa 

A agência de notícias Lusa tentou obter esclarecimentos junto do porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) na província de Manica, mas até agora não recebeu qualquer informação.

O confronto foi confirmado por outras fontes, nomeadamente um residente no distrito de Gôndola.

Paz

Apesar de as hostilidades entre Governo e RENAMO terem cessado em dezembro de 2016 e de a paz ter sido formalmente subscrita através de acordos assinados há um mês, um grupo liderado por Mariano Nhongo permanece "entrincheirado nas matas".

A autodenominada Junta Militar da RENAMO não reconhece o líder do partido, Ossufo Momade, nem os acordos assinados por este, nomeadamente os que regulam o desarmamento e reintegração dos guerrilheiros na sociedade, ameaçando usar as armas se os seus pedidos não forem ouvidos.

O presidente da RENAMO já classificou o movimento liderado por Nhongo como um grupo de desertores e indisciplinados.

"Mariano Nhongo é um cidadão moçambicano e membro da RENAMO e o que podemos fazer agora é pedir para que Nhongo volte à razão", disse Ossufo Momade, na quarta-feira, durante uma intervenção pública.

 

 

Leia mais