Insegurança na RDC em destaque na cimeira de líderes dos Grandes Lagos | Angola | DW | 08.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Insegurança na RDC em destaque na cimeira de líderes dos Grandes Lagos

Presidentes de Angola, República Democrática do Congo, Ruanda e Uganda querem aumentar os esforços para reforçar a segurança na região dos Grandes Lagos, face aos ataques armados e à pilhagem dos recursos naturais.

Rebeldes congoleses (foto de arquivo)

Rebeldes congoleses (foto de arquivo)

Reunidos em videoconferência numa cimeira adiada duas vezes por motivos de segurança e devido à pandemia de Covid-19, os chefes de Estado concordaram na necessidade de combater as "forças negativas", numa aparente alusão às milícias no leste da RDC.   

"Os chefes de Estado dos quatro países analisaram a situação de segurança na região dos Grandes Lagos, condenaram a ação das forças negativas e reafirmaram a vontade de lutar pelo reforço das capacidades dos mecanismos existentes, a fim de cortar o acesso das forças negativas às fontes de financiamento das suas atividades e lutar contra as redes criminosas regionais e internacionais.", anunciou a ministra congolesa dos Negócios Estrangeiros, Ntumba Nzeza, no final do encontro desta quarta-feira (07.10). 

O Presidente congolês, Félix Tshisekedi, participa na cimeira a partir de Goma, a capital de Kivu do Norte, que, juntamente com Kivu do Sul e Ituri, tem sido palco de violência levada a cabo por grupos armados locais e estrangeiros há quase 30 anos.

Ataques de rebeldes na RDC

Na segunda-feira (05.10), enquanto Tshisekedi era recebido em Goma por milhares de apoiantes, na aldeia de Mamove, a 40 quilómetros da cidade de Beni, homens armados matavam onze pessoas.

DR Kongo | Besuch Präsident Félix Tshisekedi

Visita do Presidente Félix Tshisekedi a Goma

As suspeitas recaem sobre as Forças Democráticas Aliadas, o grupo rebelde que surgiu no Uganda nos anos 1990 e que opera agora na RDC. Desde 2013 que o exército congolês combate a milícia com o apoio da missão de paz da ONU, a MONUSCO. Ainda assim, desde o início da mais recente ofensiva militar, em outubro de 2019, estimativas apontam para a morte de quase mil pessoas - só no distrito de Beni.

A população local considera que Tshisekedi deveria também visitar Beni e as localidades vizinhas na província de Ituri. "Esperamos que haja uma solução e que as queixas da população sejam ouvidas. Ele é o comandante supremo, tem a última palavra: pode dizer aos soldados para irem combater o inimigo, as Forças Democráticas Aliadas e os vários grupos armados", defende o habitante Philemon Kitenge.

Félix Tshisekedi manteve-se, no entanto, a uma distância segura, reunindo com representantes da sociedade civil em Goma, na véspera da cimeira.

Relações tensas com países vizinhos

Com os países vizinhos, as relações estão, como sempre, tensas. O Burundi, por exemplo, recusou participar no encontro, exigindo antes conversações bilaterais com a RDC.

Para Gesine Ames, da Rede Ecuménica da África Central, o problema está na fraqueza política do chefe de Estado congolês. "Tshisekedi é um Presidente sem poder suficiente. Não tem influência suficiente sobre as principais organizações, o Parlamento, o Exército, a Justiça. Para desviar a atenção desta fraqueza, procura cada vez mais alianças, especialmente nos países vizinhos. Isto realça o problema da RDC", explica.

"A falta de influência política significa que conflitos antigos estão novamente em ebulição e novamente carregados de questões étnicas", alerta ainda Gesine Ames.

De Angola, chegou uma garantia do Presidente João Lourenço: os países que integram a região dos Grandes Lagos sempre se mostraram solidários com os "irmãos congoleses" na luta contra as forças negativas que desestabilizam o leste do país.

O chefe de Estado angolano defendeu, no entanto, que a cooperação no domínio da defesa e segurança "só será eficaz" se for coordenada por um mecanismo no qual todos os Estados-membros se revejam.

 

Leia mais