Covid-19: Angola autoriza compra de vacina russa | Angola | DW | 27.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Covid-19: Angola autoriza compra de vacina russa

Governo angolano autorizou aquisição de seis milhões de doses da vacina Sputnik V, produzida na Rússia. País atualizou medidas preventivas. Ensino pré-escolar retoma aulas presenciais a 5 de abril.

O Governo angolano vai adquirir seis milhões de doses da vacina Sputnik V, produzida na Rússia, por 111 milhões de dólares (o equivalente a 94 milhões de euros), segundo um decreto presidencial publicado no Diário da República.

Segundo o documento, a ministra da Saúde será responsável pela "verificação da legalidade de todos os atos subsequentes no ato de procedimento até à formação e execução do contrato" e a ministra das Finanças "deve assegurar a disponibilização dos recursos financeiros".

Além da Sputnik, Angola recebeu já mais de 600 mil doses da vacina AstraZeneca/Oxford, ao abrigo da iniciativa Covax, estando prevista a entrega de cerca de 2,5 milhões de doses até meados de 2021.  

Na quinta-feira (25.03), Angola recebeu 200 mil doses da vacina Sinopharm, do Instituto Biológico de Pequim, doadas pelo Governo da China e que vão ser distribuídas por algumas províncias do país.

Ensino pré-escolar retoma aulas presenciais

O ensino pré-escolar presencial em Angola vai reabrir a partir de 5 de abril, segundo um decreto presidencial que atualiza as medidas de prevenção e combate à Covid-19, publicado na sexta-feira (26.03) no Diário da República.

Assim, a partir do dia 5 de abril é autorizado o reinício das atividades letivas presenciais no ensino pré-escolar, em todas as instituições de educação e ensino do país, bem como a abertura dos refeitórios para uso exclusivo do ensino pré-escolar. 

A medida abrange os estabelecimentos de ensino públicos e privados do Sistema Nacional de Ensino, as instituições de ensino de Estados Estrangeiros e as Escolas Internacionais que funcionam em território angolano.  

Outras medidas

O diploma introduz também alterações no regime especial de quarentena, que fica dispensada "nas viagens oficiais de curto prazo não superiores a 72 horas". 

Além disso, "o Ministério da Saúde pode definir regime especial de quarentena ou determinar a sua dispensa em casos de viagens de Estado ou por motivos profissionais e empresariais, sempre que a natureza da atividade o justificar por razões de urgência ou de interesse público relevante".

Angola soma 111.231 pessoas imunizadas, desde o início da vacinação no dia 2 de março. 

No total, o país contabiliza 21.965 infeções por Covid-19, dos quais 532 óbitos, 20.250 dados como recuperados e 1.183 ativos (dos quais nove em estado crítico e sete em estado grave).

Assistir ao vídeo 02:00

Cabo Verde: Início da vacinação contra Covid-19 é "sinal de esperança"

Leia mais