Cimeira em Angola para reforçar ″soluções africanas para problemas africanos″ | Angola | DW | 14.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Cimeira em Angola para reforçar "soluções africanas para problemas africanos"

Luanda acolhe, esta terça-feira, uma mini-cimeira com os Presidentes de Angola, Congo, Gabão, Ruanda e Uganda para analisar a situação política nas Áfricas Central e Austral, com especial incidência na RDC.

Fonte oficial confirmou à agência Lusa que estão confirmadas as presenças dos chefes de Estado congolês, Denis Sassou Nguesso, gabonês, Ali Bongo, ruandês, Paul Kagamé, e ugandês, Yoweri Museveni, bem como da República Democrática do Congo (RDC), Joseph Kabila, e do presidente da Comissão da União Africana (UA), o chadiano Moussa Faki Mahama. 

A reunião de Luanda antecede em três dias a Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), que decorrerá em Windhoek (Namíbia), e nela será feita uma discussão e concertação política sobre os projetos de paz e estabilidade nas duas regiões africanas. 

DRC Präsident Joseph Kabila

Presidente da RDC, Joseph Kabila, está de regresso a Luanda

A reunião, que decorrerá no Centro de Convenções de Talatona, a 25 quilómetros de Luanda, começa às 09:00 locais (mesma hora em Lisboa) com a intervenção do chefe de Estado anfitrião, o Presidente angolano, João Lourenço, após o que os trabalhos decorrerão à porta fechada até às 12:45. Às 12:55, será feita a leitura do comunicado final da mini-cimeira pelo ministro das Relações Exteriores angolano, Manuel Augusto. 

Numa conferência de imprensa em Luanda, o ministro das Relações Exteriores (MIREX) de Angola, Manuel Augusto, indicou que a situação na RDC será um dos temas fortes a abordar na reunião, em que se pretende também privilegiar a procura de "soluções africanas para os problemas africanos" nas discussões que envolvem também as crises políticas e militares no Sudão do Sul, Sudão, República Centro-Africana e Lesoto.

Kabila não se recandidata

Sobre a RDC, cujo Presidente, Joseph Kabila, também estará presente na reunião de Luanda, o chefe da diplomacia angolana saudou a decisão de o chefe de Estado congolês não se apresentar a um terceiro mandato, constitucionalmente proibido, nas eleições de 23 de dezembro próximo.

"Há uma evolução positiva na RDC e Angola sempre defendeu o respeito constitucional e o respeito pelos acordos [políticos e de paz] de São Silvestre", salientou Manuel Augusto, assumindo, porém, que há ainda um caminho a percorrer, uma vez que o processo eleitoral congolês não se esgota na não-candidatura de Joseph Kabila.

Assistir ao vídeo 01:28

Refugiados da RDC procuram abrigo em Angola

"Estamos satisfeitos, mas ainda há muita coisa para acontecer. Nem todos os atores políticos estão habilitados a participar no processo eleitoral", sublinhou o ministro angolano, aludindo ao dirigente da oposição Moise Katumbi Tchapwe, ex-governador da província de Katanga (sul), impedido de formalizar a candidatura às presidenciais.

Manuel Augusto adiantou, porém, que o Presidente angolano, João Lourenço, vai enviar em breve uma mensagem a Kabila a felicitá-lo pela "decisão corajosa".

Segundo o chefe da diplomacia angolana, a decisão de Kabila era "esperada há muito", pelo que este passo "vai distender" o ambiente político e social na RDCongo e é "mais uma contribuição positiva" para o processo eleitoral, que, disse, "se pretende livre, justo e transparente", ajudando à "estabilização e pacificação do país, da região e de África".

República Centro-Africana e Lesoto entre as preocupações

No encontro com os jornalistas, Manuel Augusto manifestou também a preocupação de Angola, na qualidade de presidente do Órgão de Defesa e Segurança da SADC, com a situação político-militar da República Centro-Africana (RCA). "A reunião de Luanda vai também abordar a situação preocupante que se vive a RCA, onde não existe estabilidade desde as eleições [gerais de 30 de dezembro de 2015]. Há muitas preocupações regionais e os líderes da região estão a procurar soluções", sublinhou.

Outra das "grandes preocupações" de Angola é a situação no Lesoto, "país ilha" no centro leste da África do Sul, onde a violência política e militar está a tornar-se frequente, com uma onda de assassínios.

Angola, como presidente do órgão de Defesa e Segurança da SADC, enviou, tal como outros países da região, uma missão militar para estabilizar o país, mas está a ponderar retirá-la, uma vez que são grandes os atrasos na aplicação das 20 medidas propostas para o país regressar à normalidade institucional. "Das 20 medidas, só cumpriram duas ou três. Vamos, na cimeira de Windhoek, gerar maior pressão para acelerar as reformas no Lesoto, pois a missão militar da SADC não pode ficar eternamente no país", argumentou.

Sobre as recentes eleições no Zimbabué, que deram a vitória à ZANU-PF e ao Presidente interino Emmerson Mnangagwa, o chefe da diplomacia angolana destacou que a votação de 30 de julho decorreu de forma "exemplar", apesar de alguns incidentes pós-eleitorais "que não puseram em causa" as eleições. A comissão eleitoral zimbabueana proclamou Mnangagwa vencedor, à primeira volta, das presidenciais, com 50,8% dos sufrágios, contra 44,3% dos votos alcançados pelo líder da oposição, Nelson Chamisa.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados