Chuvas intensas dificultam vacinação no norte de Moçambique | Moçambique | DW | 21.04.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Chuvas intensas dificultam vacinação no norte de Moçambique

Estragos causados pelas chuvas dificultaram a vacinação contra sarampo e rubéola no Niassa. Apensar disso, as autoridades locais da Saúde afirmam que cumpriram o plano de vacinação em 95%.

Mosambik Niassa - Impfkampaqne

Menina é vacinada

Em Moçambique, a província do Niassa acolheu a cerimónia do lançamento da primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o sarampo e a rubéola, que envolve também a província da Zambézia.

Com duração de uma semana, no Niassa, a campanha foi caracterizada pelos insucessos nalguns distritos, devido à degradação acentuada das vias de acesso - originada pelas intensas chuvas que se fazem sentir por toda parte na província.

Com a meta de vacinar 84.920 crianças e adolescentes, com idades entre os seis meses e os 14 anos, as autoridades de saúde do Niassa garantem que, apensar das dificuldades, a meta foi alcançada em95% do planificado, avançou o médico chefe-provincial de saúde

"A província olha esta atividade como um sucesso, primeiro pelo facto ter sido possível alcançar aquilo que era a meta. Olhando também aquilo que foi o comportamento da própria campanha, notamos um envolvimento das lideranças comunitárias porque há sítios onde não conseguiríamos ter a adesão prévia da população que esta campanha pretendia e encontramos a população informada sobre o benefício de aderir à campanha," relatou Ramos Mbuane.

Mosambik Niassa - Impfkampaqne

Material usado na Campanha de Vacinação no Niassa

Igualmente o sentimento é partilhado por Adérito Cumbane, médico do Hospital Distrital de Mandimba, um dos distritos fronteiriços do Niassa que foi assolado pelas intempéries.

"Embora existirem várias adversidades, estava a chover toda a semana – nós, mesmo assim, conseguimos. E também apesar das muitas dificuldades de transporte, mesmo assim conseguimos ultrapassar," salientou Cumbane.

De olho nas doenças

David Maurício disse estar a se sentir bem, depois de ter levado o seu filho de dois anos de idade e sua irmã para serem vacinados.

"Todos aqueles que tiverem a informação devem se fazer presentes para poder participar nessa campanha, visto que só o facto de participar nessa campanha de vacinação está a garantir a saúde da sua família. É uma oportunidade e seria bom se todos aproveitassem esse momento," disse.

No primeiro trimestre deste ano, as autoridades de saúde no Niassa notificaram seis casos de rubéola nos distritos de Cuamba e Metarica. Nenhum caso de sarampo foi registrado pelas autoridades.

Ramos Mbuane, avançou que o seu setor está a trabalhar para monitorar o sarampo e a rubéola nos distritos.

"E nós, ao nível da província, além de fazermos esta campanha de vacinação, estamos vigilantes naquilo que é a notificação dos casos suspeitos de sarampo," garantiu.

Leia mais