SADC adia cimeira extraordinária para missão militar em Cabo Delgado | NOTÍCIAS | DW | 06.01.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

SADC adia cimeira extraordinária para missão militar em Cabo Delgado

Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) anunciou hoje (06.01) o adiamento para a próxima semana da cimeira extraordinária que vai debater a missão militar de apoio a Moçambique, em Cabo Delgado.

Mosambik Militär SADC SANDF

O conflito em Cabo Delgado já provocou milhares de mortos. Na imagem, soldados da SADC em Moçambique.

Segundo nota de imprensa distribuída pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) hoje (06.01), o evento, que devia decorrer nesta sexta-feira (07.01), em formato virtual, vai ser realizado na quarta-feira da próxima semana em Lilongwe, no Maláui.

A cimeira será presidida pelo chefe de Estado do Maláui, Lazarus Chakwera, que é atualmente o presidente em exercício da SADC.

Será antecedida, na terça-feira, pela cimeira extraordinária da Troika do Órgão, que integra o Botswana, Namíbia e África do Sul, bem como pelo Conselho de Ministros Extraordinário da organização sub-regional.

Assuntos em discussão

"A cimeira da SADC irá, entre outros assuntos, discutir o apoio para a operacionalização dos objetivos da Missão Militar da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral em Moçambique [SAMIM, na sigla inglesa] para restaurar a paz e estabilidade em Cabo Delgado", referia um outro comunicado da organização divulgado na terça-feira.

Infografik Karte Mosambik Gasfelder EN

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Conflito 

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

Assistir ao vídeo 05:10

O receio da "iraquização" de Cabo Delgado