Reeleição de Macron poderá reforçar interesse da França em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 25.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Reeleição de Macron poderá reforçar interesse da França em Cabo Delgado

"A França tem grandes interesses em África, não só em Moçambique", explica o economista João Mosca, à DW. Quanto a um regresso da Total a Cabo Delgado, lembra que é preciso ter em conta a situação militar na província.

Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e chefe de Estado francês, Emmanuel Macron

Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e chefe de Estado francês, Emmanuel Macron

O recém-reeleito Presidente francês, Emmanuel Macron, deverá apostar numa parceria ainda maior, não só em Moçambique, mas também em outras zonas de África dado os interesses da França no continente, prevê o economista João Mosca.

Em entrevista à DW, o investigador do Observatório do Meio Rural (OMR) lembra que há empresas francesas de grande projeção nas áreas do petróleo e do gás, como a Total.

Quanto a um regresso a Cabo Delgado da multinacional – que suspendeu em março de 2021 o projeto de produção de gás natural em Palma depois de um ataque terrorista – o professor catedrático diz que as condições políticas até podem melhorar muito, mas é preciso ter em conta a situação militar na província e as crescentes ameaças terroristas contra ilhas do Índico.

João Mosca

Investigador do Observatório do Meio Rural, João Mosca

DW África: Com a saída do Mali dos militares da França, e por ser um dos países que mais participa na luta contra o extremismo, acha que o próximo mandato de Emmanuel Macron pode significar um interesse numa parceria ainda maior em Cabo Delgado?

João Mosca (JM): Sim, porque a França tem possíveis grandes interesses em África, não só em Moçambique. Um embaixador francês em Maputo dizia, numa determinada receção, que a França é o país que tem as fronteiras mais próximas com estes países, inclusivamente com Moçambique. A França tem protetorados e, inclusivamente, pode acontecer a existência de uma interseção de águas territoriais entre França, Moçambique e Tanzânia, relativamente à bacia do Rovuma, onde existe exploração de gás - não estão ainda claramente definidas as áreas do gás porque há filões que, pelo menos oficialmente e publicamente, não são conhecidos. Por essa razão, e também pelas ilhas que possui no Oceano Índico e ex-colónias francesas no Índico, naturalmente que a França possui esse interesse. E o país possui também empresas nacionais de grande projeção na área do petróleo e do gás.

DW África: Acha que poderá haver uma maior abertura para um eventual regresso da multinacional francesa Total a Moçambique, agora com a vitória de Macron?

JM: As condições políticas podem melhorar muito. Inclusivamente, há um ponto que eu gostaria de frisar com relação a Moçambique, Ruanda e França. Há aqui uma triangulação clara, embora oficialmente se diga que não, de apoios pelo Ruanda, mas com fundos, recursos e interesses franceses no assunto. Tanto mais que já houve reuniões não tripartidas, mas entre o [Presidente moçambicano Filipe] Nyusi, com Macron e com o [chefe de Estado ruandês, Paul] Kagame.

Penso que a Total é a empresa que mais está posicionada para iniciar os trabalhos. Mas o seu início depende muito da situação militar em Cabo Delgado. E também, cada vez mais, podem existir ameaças terroristas em ilhas do Índico.

Mosambik | Besuch Filipe Nyusi und Paul Kagame in der Provinz Cabo Delgado

Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, junto do homólogo ruandês Paul Kagame, na província de Cabo Delgado

DW África: Há tempos falou-se se Emmanuel Macron poderá tentar, de alguma forma, impor a presença de forças militares francesas como condição para este regresso da Total a Moçambique. Acha que é uma possibilidade?

JM: Não, penso que é um pouco difícil. Os EUA reivindicam praticamente o total monopólio sobre a fiscalização desta zona. Tanto mais que os EUA, e penso que também outras potências ocidentais, têm todo o empenho em dificultar ou mesmo impedir a entrada chinesa nesta área índica. Isso é algo que os americanos querem evitar, considerando as fortes riquezas não só em termos de petróleo, como ainda em termos de outro tipo de recursos e da própria segurança geoestratégica do Oceano Índico. Portanto, há cada vez mais aqui uma clarificação da geoestratégia global.

Penso que sim, que Macron está a tentar alinhar-se com os EUA, mas esta é mais uma aliança de exploração e divisão do gás que existe nesta zona, que penso que não existirá só na bacia do Rovuma. Inclusivamente, a Total está cada vez mais a comprar estações de gasolina em todo o país. Mas é, talvez, somente um sinal da Total para demonstrar o seu interesse em Moçambique.

DW África: Há dois meses, o Presidente francês também defendeu que são necessárias mais operações como a do Ruanda, que tem estado a prestar apoio a Moçambique no combate aos insurgentes em Cabo Delgado. Acha que é um possível sinal de uma cooperação mais estreita com Moçambique nesta área por parte de Paris?

JM: Não há força militar regular - de exércitos, na sua conceção clássica - que consiga eliminar uma guerrilha. Isso está mais do que comprovado em várias partes do mundo, durante várias décadas, em sítios diferentes. De modo que a solução aqui não está na parte militar. Então, é preciso encontrar outro cenário além da proteção militar, que também é importante (não estou a dizer para que não haja forças militares, sobretudo em defesa de determinadas cidades e zonas estratégicas).

Penso que há também países árabes que estarão interessados nesta guerra, não só a curto prazo, por causa do preço ou das relações na OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), por um conjunto de fatores.

Assistir ao vídeo 03:57

"Mudar a forma de bater" para combater a insurgência em Moçambique

Leia mais