Rebeldes do Sudão do Sul rejeitam proposta do Presidente | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Rebeldes do Sudão do Sul rejeitam proposta do Presidente

Os rebeldes do Sudão do Sul rejeitaram este domingo (16.02) a proposta do Presidente, Salva Kiir, para o país voltar a ter 10 estados, que era uma das exigências para abrir caminho para a paz.

Os rebeldes do Sudão do Sul rejeitaram este domingo (16.02) a proposta do Presidente, Salva Kiir, para o país voltar a ter 10 estados, que era uma das exigências para abrir caminho para a paz.

A rejeição pelo líder rebelde e ex-vice-Presidente Riek Machar pode acabar com a esperança do país superar o impasse político e acabar com a guerra civil que matou mais de 380.000 pessoas em seis anos e que já causou uma crise humanitária na região.

Kiir e Machar estão sob crescente pressão internacional para resolver as suas diferenças, com vista à formação de um governo de unidade nacional até 22 de fevereiro, prazo final firmado no acordo de paz assinado em 2018.

O Presidente Kiir anunciou no sábado (15.02) que o Sudão do Sul seria dividido em 10 estados e mais três "áreas administrativas" (Ruweng, Pibor e Abyei).

Entretanto, Machar, que vive no exílio, disse este domingo que se opõe à criação das três zonas administrativas. "Não podemos falar de um retorno a 10 estados, tal não pode ser aceite", disse o líder rebelde em comunicado. "Portanto, pedimos ao Presidente Kiir que reconsidere a ideia de criar zonas administrativas", acrescentou. Machar acredita que, nessas três áreas, o chefe de Estado abriu a "caixa de Pandora" porque se arrisca a criar problemas adicionais.

Uma disputa por poder e petróleo

Quando conquistou a independência do Sudão em 2011, o Sudão do Sul tinha 10 estados, de acordo com a sua Constituição.  O Presidente Kiir aumentou esse número para 28 em 2015 e depois para 32, uma medida vista como uma forma de aumentar o número de aliados em cargos de responsabilidade.

A oposição recebeu no sábado o anúncio surpresa de Kiir, mas criticou a decisão de fazer de Ruweng, uma região essencial para a produção de petróleo, uma "área administrativa". No final da noite de sábado, o Presidente Kiir dispensou os governadores dos 32 estados federais das suas funções.

O chefe de Estado disse que a questão dos estados seria definitivamente resolvida assim que o governo de unidade nacional fosse formado.

O número de estados regionais e a definição das suas fronteiras foram os principais obstáculos nas negociações para a formação do governo. Entre as três "áreas administrativas", a mais disputada é a região petrolífera de Ruweng, no norte do país.  É reivindicada tanto pelos 'dinka', a etnia do Presidente Kiir, como pelos 'nuer', etnia de Machar. O petróleo fornece ao Sudão do Sul a maior parte de suas receitas.

Leia mais