Pelo menos sete mortos e 200 detidos em distúrbios na África do Sul | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 12.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Pelo menos sete mortos e 200 detidos em distúrbios na África do Sul

Pelo menos 200 pessoas foram detidas e sete morreram nas ações violentas contra a prisão do ex-Presidente sul-africano Jacob Zuma, que afetam pelo quinto dia consecutivo várias áreas de KwaZulu-Natal e Gauteng.

De acordo com a polícia, pelo menos cinco pessoas morreram em distúrbios armados na Grande Joanesburgo e outras duas no KwaZulu-Natal desde o início das ações violentas na passada quinta-feira (08.07).

Pilhagens a lojas e centros comerciais, assaltos, intimidação, confrontos armados com as forças de segurança e veículos incendiados prosseguiram na manhã desta segunda-feira (12.07), pelo quinto dia consecutivo, nomeadamente na capital económica Joanesburgo.

Médicos de uma clínica hospitalar no bairro de Hillbrow, em Joanesburgo, relataram a entrada de um bebé de seis meses com um tiro na cabeça, um homem esfaqueado até quase à morte, violência entre pacientes hospitalizados e uma tentativa de assalto da clínica por um 'gang' local, salientando que "o cenário é de guerra".  

Südafrika | Ausschreitungen in Durban

Protestos em Durban

Em Durban, as forças policiais confrontaram esta manhã, com munição real, manifestantes armados na autoestrada N2, segundo a imprensa local. "Há pilhagens no centro da cidade. Pessoas em áreas do KwaZulu-Natal estão a juntar-se, e a armarem-se com armas de fogo, tacos de golfe e bastões de críquete. As tensões estão ao rubro", relatou esta manhã uma repórter do portal sul-africano News24 na cidade portuária de Durban.

No norte da cidade de Pietermaritzburg, capital do KwaZulu-Natal, província que faz fronteira com Moçambique, grupos armados montaram operações de segurança à entrada de estabelecimentos comerciais e áreas residenciais, adiantou.  

Pena de prisão causa motins

Os incidentes na província de KwaZulu-Natal, onde nasceu o antigo chefe de Estado, começaram na sexta-feira (09.07), depois de Jacob Zuma se ter entregadona quarta-feira (07.09) às forças de segurança. O ex-Presidente deve cumprir uma pena de prisão de 15 meses por desacato, por não comparecer para testemunhar perante a comissão que investiga a corrupção durante o seu mandato.

No domingo (11.07), o Presidente Cyril Ramaphosa avisou que não vai tolerar atos de criminalidade: "Embora algumas pessoas possam estar magoadas e zangadas, neste momento, nunca pode haver qualquer justificação para violência e ações destrutivas. Vamos ser claros: como nação, não vamos tolerar quaisquer atos de criminalidade. Não vamos tolerar atos de vandalismo. Quem se envolver em atos de violência vai ser detido e julgado."

Südafrika, Johannesburg | Ausschreitungen bei Protesten gegen die Inhaftierung von Jacob Zuma

Continuam os motins contra a prisão de Jacob Zuma

As autoridades estão também a investigar a morte de um homem de 40 anos atingido a tiro, em Joanesburgo, durante os violentos protestos que já provocaram, segundo várias agências de notícias internacionais, danos no valor de milhões de dólares.

Cyril Ramaphosa avisa que "o impacto da violência pública contra a indústria do transporte rodoviário e a destruição das autoestradas que servem de artérias económicas vão afetar também aqueles que organizam e cometem este tipo de crimes."

Tribunal analisa recurso de Zuma

Hoje, o Tribunal Constitucional deverá analisar um recurso de Jacob Zuma contra a sua sentença por desobediência judicial, depois de ter sido rejeitado um pedido de adiamento da pena, na sexta-feira, pelo Supremo.

O ex-Presidente, de 79 anos, deverá receber liberdade condicional após cumprir um quarto da sua pena de 15 meses de prisão, a menos que o seu recurso perante o Tribunal Constitucional seja bem-sucedido.

Zuma é o primeiro ex-Presidente sul-africano da era democrática a ser preso desde o fim do apartheid, em 1994. Além da investigação à corrupção durante o seu mandato, entre 2009 e 2018, o ex-chefe de Estado enfrenta outros problemas legais, entre eles acusações relacionadas com subornos, que alegadamente terá recebido durante um negócio de aquisição de armas pela África do Sul em 1999.

Leia mais