Pelo menos 32 mortos em onda de violência na África do Sul | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 13.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Pelo menos 32 mortos em onda de violência na África do Sul

A escalada de violência após a prisão do ex-Presidente Jacob Zuma já causou pelo menos 32 mortos e levou à detenção de quase 500 pessoas na África do Sul. Cyril Ramaphosa voltou a falar à nação para condenar os tumultos.

Mais 22 mortes foram hoje confirmadas pelo primeiro-ministro de KwaZulu-Natal, Sihle Zikalala. Até ao momento, morreram nesta província 26 pessoas. Outras seis mortes em Joanesburgo foram confirmadas na noite de segunda-feira (12.07) pelo Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa.

O governante regional mencionou em particular o facto de várias destas mortes terem ocorrido durante "tumultos neste contexto de motins", sem especificar os locais em que ocorreram.

Ontem, pelo quinto dia consecutivo, as províncias de KwaZulu-Natal e Gauteng foram palco de protestos violentos, pilhagens a lojas e centros comerciais, assaltos, intimidação, confrontos armados com as forças de segurança e veículos incendiados.

Efetivos das Forças Armadas foram destacados em várias áreas para ajudar a conter a situação. O Presidente Cyril Ramaphosa voltou a falar à nação esta noite para condenar a violência e garantir que o Governo vai agir contra os responsáveis:

"Como chefe das Forças Armadas da África do Sul, autorizei hoje o destacamento de pessoal das forças de defesa para apoiar as operações da polícia sul-africana. Não vamos hesitar na detenção e julgamento dos responsáveis por estas ações. Vamos restaurar a calma para continuarmos a reconstruir o país."

"Têm de libertar Zuma"

Para muitos manifestantes, a solução passa pela libertação de Jacob Zuma, que se entregou às autoridades na quarta-feira passada para cumprir uma pena de 15 meses de prisão por desacato, depois de se ter recusado a testemunhar na comissão que investiga a corrupção durante o seu mandato, entre 2009 e 2018.

"Têm de libertar Jacob Zuma. Ele é tratado injustamente neste país, não é constitucional. Estamos a voltar ao apartheid. Não nos vamos render", garantiu um apoiante do ex-Presidente.

Südafrika | Ausschreitungen in Durban

Protestos de pilhagens em Durban

"Têm de o libertar e deixar o país voltar ao normal, porque isto não vai acabar. As pessoas estão a perder dinheiro, emprego", disse outro sul-africano.

Mas os apoiantes de Zuma ainda terão de esperar para saber se o ex-Presidente poderá sair em liberdade. Esta segunda-feira, depois de uma audiência de 10 horas, o Tribunal Constitucional adiou a decisão sobre o pedido apresentado por Jacob Zuma para rever a sua sentença de prisão.

Defesa pede revogação da pena

A defesa pede a revogação da pena, alegando que o tribunal não seguiu os procedimentos adequados. "O próprio Tribunal Constitucional pode ter ultrapassado os limites da Constituição. Deve-se ter em conta que não se trata aqui de fundamentos de recurso ou revisão, mas alegações de conduta. Conduta que é inconstitucional e, por isso, inválida", afirma Dali Mpofu, advogado do ex-Presidente sul-africano.

A acusação garante que o tribunal agiu de acordo com a Constituição sul-africana. "Apesar do desprezo descarado pela ordem do tribunal para participar na comissão presidida pelo juiz Zondo, o senhor Zuma também não quer ser punido. Dizer ao tribunal que num julgamento cuidadoso, em que equilibrou os direitos do senhor Zuma com o interesse público, agiu de forma inconstitucional, é algo extraordinário", diz Tembeka Ngcukaitobi, o advogado da comissão que investiga a "captura do Estado” na governação Zuma.

Südafrika | Präsident Cyril Ramaphosa

Presidente Cyril Ramaphosa

Sem mencionar o nome de Jacob Zuma uma única vez no seu discurso desta segunda-feira (12.07), o Presidente Cyril Ramaphosa admitiu que a violência "poderá ter começado com um objetivo político, mas descendeu para a criminalidade”.

Ainda assim, o chefe de Estado sul-africano disse que se vai encontrar com líderes de partidos políticos, sem precisar datas, numa altura em que a oposição aponta o dedo ao chefe de Estado pela "relutância” em "agir decisivamente" para resolver a "guerra interna" no Congresso Nacional Africano, o partido no poder.

A prisão de Jacob Zuma expôs profundas divergências no ANC, com uma fação do partido a manter-se leal ao ex-Presidente.

Assistir ao vídeo 03:36

Desemprego sufoca um em cada dois jovens sul-africanos