Moçambique vai exportar gás natural para Japão e Grã-Bretanha | Moçambique | DW | 16.06.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique vai exportar gás natural para Japão e Grã-Bretanha

Petrolífera norte-americana Anadarko anunciou assinatura de acordo conjunto para fornecimento de Gás Natural Liquefeito (GNL) de Moçambique às companhias japonesa Tokyo Gas e britânica Centrica, esta sexta-feira (15.06).

Offshore Schiffe Gas Förderung

Navio de prospecção de gás, no norte de moçambique

"O acordo de compra conjunta prevê o fornecimento ‘ex-ship’ de 2,6 milhões de toneladas por ano (MTPA) a partir do início da produção, até princípios de 2040", refere o comunicado distribuído à imprensa.

O acordo, acrescenta o documento, representa um enorme peso na meta definida para a Decisão Final de Investimentos (DFI), que era prevista pelo Governo moçambicano para 2017. 

"O acordo inovador de compra conjunta fornece flexibilidade para ajudar os dois clientes a gerir proativamente as flutuações de procura nos seus próprios mercados domésticos", afirma o vice-presidente executivo da Anadarko para a Área Internacional, citado no comunicado, acrescentando que será aproveitada a localização de Moçambique para o abastecimento de clientes nos mercados da Europa e da Ásia.

O projeto será inicialmente composto por dois módulos de produção de GNL com capacidade total de 12,88 milhões de toneladas por ano, segundo os dados da companhia.

O consórcio que explora a Área 1 é constituído pela norte-americana Anadarko (26,5%), a japonesa Mitsui (20%), a indiana ONGC (16%), a petrolífera estatal moçambicana ENH (15%), cabendo participações menores a outras duas companhias indianas, Oil India Limited (4%) e Bharat Petro Resources (10%), e a tailandesa PTTEP (8,5%).

Schiffsplattform Saipem 10K

Plataforma de prospecção de gás

Reação positiva

Este sábado (16.06), a consultora IHS Markit fez uma avaliação positiva do acordo.

"O acordo conjunto é uma abordagem inovadora que vai ajudar os compradores a gerirem a incerteza nos mercados", disse o analista James Taverner numa declaração à agência de informação financeira Bloomberg.

"Os compradores japoneses têm estado à procura de mais flexibilidade nos seus portefólios para lhes permitir equilibrar melhor as suas próprias necessidades e vender o volume em excesso para outros mercados", acrescentou o analista, considerando que esta é uma boa notícia para Moçambique porque permite à Anadarko avançar na Decisão Final de Investimento, prevista para o próximo ano.

Planos para a exploração

Em fevereiro, o Governo moçambicano aprovou o plano de desenvolvimento do consórcio liderado pela Anadarko para transformar a península de Afungi, norte de Moçambique, numa zona industrial de exportação de gás natural.

Os principais ganhos esperados incluem a comercialização de recursos com um fluxo de receitas estimados em 30,7 mil milhões de dólares provenientes de impostos e partilha de lucros de gás até 2047.

O desenvolvimento de infraestruturas, a criação de 1.500 postos de emprego nas fases de perfuração, construção e operação são apontados também como os principais ganhos de Moçambique com o projeto da Área 1, cujo custo de financiamento é estimado em 12 mil milhões de dólares.

O grupo de empresas vai explorar o gás natural encontrado nas profundezas da crosta terrestre, sob o fundo do mar, a 16 quilómetros ao largo da província de Cabo Delgado.

Leia mais