Moçambique: Inhambane pede menos restrições para sobreviver à crise da Covid-19 | Moçambique | DW | 25.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Inhambane pede menos restrições para sobreviver à crise da Covid-19

Há centenas de desempregados em Inhambane e os preços dos produtos alimentares continuam a subir. Governo prometeu apoiar famílias, mas ainda não cumpriu a promessa. População pede levantamento gradual das restrições.

Esperança Macamo, residente no distrito de Homoine, disse à DW África que em 2020 perdeu o emprego que tinha numa organização não-governamental estrangeira e precisa de apoio para sobreviver. 

"Com esta tristeza da pandemia e fome não somos apoiados, precisamos de muito apoio porque há dias atrás andaram a escrever a muita gente a dizer que iam dar dinheiro, mas não deram nada", lamenta. "Mas quando chegar [o dia do] voto vão precisar de nós", criticou.

Benjamim Chissico, residente na cidade da Maxixe, afirma que a maior dificuldade é a subida dos preços dos produtos de primeira necessidade. 

Afrika Benjamim Chissico, Einwohner von Maxixe

Benjamim Chissico, residente na cidade da Maxixe

"Devido à pandemia, está tudo parado, mas o problema superior é o preço das comidas nas lojas que está muito elevado. A água também é cara", adverte. "O Governo é que pode criar mecanismos para a gente viver", pede.

Governo local admite dificuldades

Fernando Bambo, presidente do município da cidade de Maxixe, tida como a capital económica da província de Inhambane, diz que o novo coronavírus, SARS-CoV-2, trouxe vários problemas e reduziu o poder de compra nas lojas e armazéns locais.

"A pandemia trouxe problemas sociais e económicos, o que significa que o poder de compra se reduziu em várias pessoas, nomeadamente no comércio, transporte e produção de alimentos", admite.

Por outro lado, o setor do turismo também tem de lidar com enormes prejuízos, como por exemplo o despedimento de trabalhadores nas diversas áreas. Só este ano mais de mil cidadãos perderam o emprego por causa da pandemia.

Afrika Wirtschaftliche Barrieren und Gewalt prägen das Leben von Frauen in Inhambane

População queixa-se do aumento dos preços dos produtos por causa da pandemia

Para Yassine Amugy, presidente da Associação de Turismo de Vilankulo, deve apostar-se na descentralização das medidas restritivas e fortalecer o controlo da evolução pandémica.

"É porque sabemos que a pandemia vai ficar mais tempo. Mesmo com a vacina, penso que o Estado poderia aproveitar esta oportunidade para começar a desejada descentralização, monitoria a evolução da pandemia e ir adaptando as medidas de acordo com a realidade", sugeriu.

Mais despedimentos a curto-prazo

Emílio Nhantumbo, diretor provincial da Cultura e Turismo em Inhambane, reconhece que atualmente a situação pandémica está a trazer prejuízos para o setor privado.

"Acabou por afetar significativamente o turismo. O setor privado está com casas quase vazias e isso acaba por obrigar a despedir trabalhadores e a fechar empreendimentos", alerta.

Emílio Nhantumbo acrescenta que a situação pode vir a piorar. Por isso pede o cumprimento das medidas para que haja um relaxamento das restrições caso haja uma diminuição do número de novos infetados com a Covid-19. 

"Vamos ter muitos despedimentos, portanto estamos numa crise que precisa do alívio das medidas restritivas", frisou.

Leia mais