Moçambique: Filipe Nyusi defende unidade na luta contra grupos armados | NOTÍCIAS | DW | 30.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Moçambique: Filipe Nyusi defende unidade na luta contra grupos armados

O Presidente moçambicano defendeu esta segunda-feira (30.11) a unidade do país na luta contra grupos armados que protagonizam ataques em Cabo Delgado, reiterando o compromisso com a consolidação da paz e da democracia.

"Apelamos aos nossos irmãos [da Resistência Nacional Moçambicana] para ultrapassarem as suas diferenças pela via do diálogo para que o país se possa unir na luta contra os terroristas", sublinhou, esta sexta-feira (30.11), Filipe Nyusi.

O Presidente moçambicano falava em Maputo por ocasião do encerramento de uma conferência promovida pelo Instituto para a Democracia Multipartidária (IMD), alusiva aos 30 anos do multipartidarismo.

A Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição, atravessa uma crise interna: conta com uma dissidência armada da sua guerrilha a contestar o presidente da organização, Ossufo Momade, e a protagonizar ataques armados nas províncias de Sofala e Manica, centro do país, contra alvos civis. Ataques já provocaram 30 mortos desde agosto de 2019.

Assistir ao vídeo 02:18

O relato de um sobrevivente do terrorismo

Desafios à democracia

No seu discurso, o chefe de Estado moçambicano assinalou que a ausência de "paz efetiva" no país é uma ameaça aos direitos e liberdades fundamentais alcançados com a implantação da democracia.

"Constatamos que ao longo destes 30 anos de democracia multipartidária, ainda persistem desafios que devem ser superados para o alcance de uma paz efetiva", frisou Nyusi.

Os atentados aos direitos humanos e as desconfianças em relação aos órgãos de administração eleitoral também são uma mancha à qualidade da democracia moçambicana, acrescentou.

UE pronta para ajudar

Por seu turno, o embaixador da União Europeia (UE) em Moçambique, António Sánchez-Benedito Gaspar, disse que a organização está empenhada em ajudar o país a consolidar o Estado de Direito democrático.

"Estamos prontos a ajudar Moçambique a reforçar a capacidade de resposta aos múltiplos desafios que enfrenta, incluindo a situação em Cabo Delgado", declarou Gaspar, falando no mesmo evento.

O diplomata assinalou a importância do respeito pelos direitos humanos, enfatizando que o compromisso com os valores fundamentais deve estar no "âmago" da cooperação entre a UE e os seus parceiros.

Mosambik Trinkwasseraufbereitung Einsatz THW

António Sánchez-Benedito Gaspar (ao centro): "Estamos prontos a ajudar Moçambique na situação em Cabo Delgado"

O embaixador da UE em Moçambique destacou o compromisso do Estado africano com o sufrágio universal, sublinhando que o país nunca falhou eleições gerais de cinco em cinco anos, desde a realização do primeiro escrutínio nacional em 1994.

António Sánchez-Benedito Gaspar reiterou o empenho da UE no apoio ao desenvolvimento social e económico de Moçambique.

Ataques sem fim

A violência armada em Cabo Delgado dura há três anos e está a provocar uma crise humanitária com cerca de 2 mil mortes e cerca de 500 mil pessoas deslocadas, sem habitação, nem alimentos e concentrando-se sobretudo na área da capital provincial, Pemba.

Por outro lado, as províncias de Sofala e Manica, centro do país, são palco de ataques da autoproclamada Junta Militar, uma dissidência armada da RENAMO.

O grupo rejeita a liderança do presidente da RENAMO, Ossufo Momade, acusando-o de trair as posições do seu antecessor Afonso Dhlakama nas negociações que levaram à assinatura do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional, a 6 de agosto.

Leia mais