Moçambique: Dois cabecilhas de grupos terroristas são abatidos em Cabo Delgado | Moçambique | DW | 01.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Dois cabecilhas de grupos terroristas são abatidos em Cabo Delgado

As Forças de Defesa e Segurança de Moçambique abateram 78 insurgentes no distrito de Macomia, incluindo dois cabecilhas. O governo provincial de Cabo Delgado garante que aquela vila está sob o controlo das autoridades.

As autoridades moçambicanas afirmam que o distrito de Macomia, na província nortenha de Cabo Delgado, tende a voltar à normalidade depois da invasão de grupos terroristas.

O ministro da Defesa Nacional de Moçambique, Jaime Neto, disse este domingo (31.05) que as Forças de Defesa e Segurança (FDS) abateram 78 terroristas e feriram outros 60. Os insurgentes atacavam a vila de Macomia desde a quinta-feira passada (28.05).

Jaime Neto disse ainda que entre os terroristas abatidos constam dois cabecilhas de nacionalidade tanzaniana. Um deles é o insurgente Njorogue, envolvido nos primeiros ataques armados em Moçambique em 2017. "Nesta contraofensiva, foram abatidos dois principais chefes. Consta que o Njorogue foi aquele que iniciou com os ataques a Mocímboa da Praia no dia 05 de Outubro de 2017", afirmou.

As forças governamentais apreenderam diversos materiais com os atacantes, incluindo viaturas, motocicletas, bicicletas e outros bens roubados da população. Depois da expulsão dos terroristas de Macomia, as FDS continuam a procurar pelos insurgentes para identificar as suas bases.

"A nossa força neste momento vai trabalhar dia e noite para perseguir principalmente aqueles cabecilhas. Vamos também fazer a limpeza dos lugares onde eventualmente encontram-se escondidos", diz.

O ministro Jaime Neto referiu que o sucesso destas operações depende, em grande medida, do envolvimento da população, através de denúncias. "Aproveitar esta oportunidade para apelar à população para continuar a colaborar da mesma maneira que tem estado a colaborar, porque no final do dia a perda é para todos nós. Os terroristas estão a destruir administrações distritais e bancos", sublinhou.

Controlo?

Em relação à situação atual depois da invasão dos malfeitores, o governador de Cabo Delgado, Valige Tauabo, garante que a vila de Macomia já está sob o controlo das autoridades. "Foi um trabalho bem feito da restauração de forma pontual. A nossa força esteve desde o primeiro minuto que eles [terroristas] tinham entrado. A nossa força não desistiu, foi em defesa sempre da nossa população", afirmou. 

As autoridades ainda estão a fazer um levantamento sobre o que foi vandalizado pelos insurgentes. No sábado (30.05), o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, saudou a atuação das FDS.

"As últimas batalhas que foram travadas pelas Forças de Defesa e Segurança foram enormes, foram muito produtivas. O esforço sempre é compreender quem é o inimigo e como está a operar. Estamos a aprender como lidar com essa força e estamos a encorajar a maneira como as FDS estão a abordá-la", disse.

Vandalismo

O governador de Cabo Delgado sublinhou que alguns populares que regressaram das matas onde se refugiaram partiram para a vandalização de bens alheios.

"Por serem os primeiros a chegar na vila, estão a criar um oportunismo negativo, que é o furto de bens das famílias que ainda não chegaram à vila. Por causa disso, nós queremos apelar à nossa população para que haja ordem, disciplina e, para que no seu regresso, não estejam a criar vandalismo nas outras residências", disse.

Na sua comunicação à imprensa este domingo, Valige Tauabo admitiu que os malfeitores estão a impedir o desenvolvimento da província. A eletricidade e as comunicações móveis ficaram afetadas nalguns distritos do norte de Cabo Delgado. As autoridades falam de vandalização pelos grupos armados. Uma situação cuja resolução poderá ser para breve, conforme referiu o chefe do conselho executivo provincial. 

Leia mais