Malária em Moçambique: Casos tendem a aumentar em Manica | Moçambique | DW | 07.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Malária em Moçambique: Casos tendem a aumentar em Manica

Autoridades de saúde estão preocupadas com a situação da malária na província central de Manica. O número de casos pode ultrapassar o do ano passado. Por isso, são reforçados os apelos para as medidas de prevenção.

Pacientes aguardam por consulta numa unidade de saúde em Manica

Pacientes aguardam por consulta numa unidade de saúde em Manica

As autoridades de saúde na província de Manica temem que o número de casos de malária suba este ano em relação aos anos anteriores. Só nos primeiros seis meses de 2020 já foram diagnosticados 350 mil casos de malária. É quase o total de casos em 2018 (400 mil casos) e cerca de dois terços dos casos registados no ano passado (ao todo, 500 mil). E o ano ainda não terminou.

Ana Maria Manecas, da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC), uma organização não-governamental, afirma que "os casos estão a subir".

"A província de Manica teve vários constrangimentos, durante o ano passado e este. Tivemos a questão do ciclone Idai, que dizimou muitas famílias e deixou muitas delas sem redes mosquiteiras, sendo um dos motivos que causou o aumento de casos de malária", explica a coordenadora do programa para o controlo da malária da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade.

Mosambik Malaria Manica Ana Maria Manecas

Ana Maria Manecas alerta: "os casos estão a subir"

Apelo à prevenção

Manecas apela ao uso correto das redes mosquiteiras tratadas com inseticidas e à eliminação de águas estagnadas em potes, pneus, charcos e capim em volta do quintal.

A coordenadora diz ainda que a fundação tem estado a desenvolver trabalhos de sensibilização das comunidades e a formar professores. O objetivo é que estes grupos façam chegar às zonas mais recônditas a mensagem sobre a prevenção da malária, sinais e sintomas.

Um sinal positivo, segundo o diretor provincial da saúde em Manica, é que há mais pessoas a procurar ajuda médica em caso de malária. Isso tem ajudado a salvar vidas, afirma Firmino Vidade Jaqueta: "Os números de casos da malária continuam a aumentar e o número de óbitos está a descer, porque as pessoas têm o conhecimento".

Assistir ao vídeo 02:07

Saúde em África: Como combater a malária?

Segundo o diretor provincial da saúde em Manica, "em 2017 tínhamos 57 óbitos, diminuímos para 42 no ano seguinte e neste momento estamos na ordem dos 30 casos, porque as pessoas têm mais conhecimentos e vão muito rapidamente às unidades sanitárias".

Desafios do combate à malária

No entanto, Ana Maria Manecas, da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, afirma que ainda há desafios estruturais no combate à malária, que não podem ser esquecidos.

"A situação geográfica da província também contribui, porque existem muitas florestas que estão sendo devastadas pelas empresas que estão a explorar os minérios e que deixam buracos que o mosquito aproveita para se multiplicar. Também temos o saneamento do meio que ainda é um desafio. Então, isso tudo precisa de um grande apoio para que este mal não venha a crescer", explica.

As autoridades sanitárias, juntamente com os parceiros de cooperação, estão a preparar a distribuição de redes mosquiteiras tratadas com inseticidas a partir de 15 de novembro, visando a prevenção da doença no país.

Assistir ao vídeo 01:05

Nova vacina contra malária é testada em África

Leia mais