G5 Sahel lança segunda operação militar anti-jihadista | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 16.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

G5 Sahel lança segunda operação militar anti-jihadista

O Grupo dos 5 do Sahel, integrado por Mali, Mauritânia, Níger, Chade e Burkina Faso, iniciou segunda-feira uma nova operação conjunta na região. Anúncio foi feito em Paris, após encontro com ministra da Defesa francesa.

default

Soldados franceses em Gao, no Mali (2016)

"A cada dia que passa, a força conjunta está a tornar-se mais operacional, mais sólida e mais estruturada", declarou a ministra da Defesa francesa, Florence Parly, no final de uma reunião com os homólogos do G5 e outros países que apoiam a implementação da força militar. Também estiveram presentes representantes da União Africana (UA), da União Europeia (UE) e da Organização das Nações Unidas (ONU).

Não foram divulgados detalhes sobre a nova operação por "razões de segurança". O G5 Sahel quer criar uma força de 5.000 soldados até meados de 2018, para restabelecer o controlo nas regiões fronteiriças no Sahel, sul do Sahara, dominadas por grupos terroristas.

Niger - Macrons Truppenbesuch

A ministra Florence Parly e o Presidente francês, Emmanuel Macron, em Niamey, Níger (dezembro de 2017)

A força vai trabalhar ao lado das 4.000 tropas francesas que se deslocaram para o Mali em 2013 e da MINUSMA, a operação de paz da ONU no Mali, que conta com 12 mil capacetes azuis.

Na reunião desta segunda-feira (15.01), os países africanos também concordaram em elaborar um "roteiro comum" para acelerar a implementação da força e "fortalecer a equipa", disse a ministra francesa. "A França continuará a ser uma parceira incansável da força conjunta do G5 Sahel", prometeu também Florence Parly.

Implementação lenta

A implementação da força militar tem sido lenta. "O Sahel é uma região enorme e muito desafiadora. É um local onde é muito difícil operar", explica o analista Paul Melly, do instituto britânico Chatham House. Felizmente, acrescenta, "tem-se evitado enviar muitas tropas para um local com condições difíceis e sem a devida preparação."

Ouvir o áudio 02:52
Ao vivo agora
02:52 min

G5 Sahel lança segunda operação militar anti-jihadista

Os países do G5 Sahel têm sido alvo de ataques jihadistas que começaram na Nigéria e custaram milhares de vidas e também milhares de deslocados, prejudicando as economias locais e aumentando a insegurança alimentar.

Os cinco países participantes, todos antigas colónias francesas, estão entre os mais pobres do mundo e os seus militares estão mal equipados. "Por isso, o desafio de promover o desenvolvimento é especialmente difícil", lembra Melly.

Além disso, a maioria dos países da região também não tem costa. "O desenvolvimento é difícil se há insegurança e obviamente a economia sofre. Este é um desafio enorme e será assim a longo prazo", prevê o investigador da Chatham House.

A França lidera os esforços para conseguir financiamento para a força G5 Sahel. Até agora, os custos foram estimados em 294 milhões de euros. A Arábia Saudita garantiu uma contribuição de 100 milhões de euros. Uma nova ronda de negociações de financiamento tem lugar em Bruxelas, a 23 de fevereiro.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados