Fuga de terroristas de Cabo Delgado gera ″alerta máximo″ na Tanzânia e no Quénia | Moçambique | DW | 30.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Fuga de terroristas de Cabo Delgado gera "alerta máximo" na Tanzânia e no Quénia

Ofensiva militar em Cabo Delgado estaria a provocar retorno de terroristas para Tanzânia e Quénia. Serviços de inteligência desses países estão em alerta devido a ataques alegadamente vinculados a terroristas em fuga.

O comissário de Operações e Formação da Polícia da Tanzânia, Liberatus Sabas, não exclui a possibilidade de o ataque terrorista da semana passada em Dar es Salaam estar ligado às operações militares em Cabo Delgado. A informação foi publicada pelo jornal queniano The East Africa no sábado (28.08). Sabas acrescentou, no entanto, que o motivo do ataque continua desconhecido.  

O alegado retorno de suspeitos de terrorismo em fuga de Cabo Delgado tanto à Tanzânia como ao Quénia provocou "alerta máximo” nas agências de inteligência destes dois países, segundo o jornal.  

Tansania Dar es Salaam | Angriff auf Botschaft Frankreich

Ataque ocorreu em frente à embaixada da França em Dar es Salaam

Na semana passada, o Quénia e a Tanzânia registaram incidentes ligados ao terrorismo. Na quarta-feira, Hamza Hassan Mohamed, de 29 anos, matou quatro pessoas e feriu outras seis na cidade mais populosa da Tanzânia. O atirador foi morto pela polícia.  

Dois dias antes, a polícia queniana em Mombaça prendeu dois suspeitos de terrorismo - um dos quais é tanzaniano. Foram apreendidos dois fuzis AK-47 e explosivos. Eles estariam a planear um ataque no aniversário da morte do clérigo muçulmano radical Sheikh Aboud Rogo, morto em 2012 em Mombaça.  

Quenianos em Cabo Delgado 

Segundo a reportagem do The East African, assinada pelo jornalista Allan Olingo, cúmplices dos dois suspeitos detidos em Mombaça - que ainda se encontram em liberdade - tinham estado recentemente em Moçambique e na República Democrática do Congo.  

Aboud Rogo Mohammed

Aboud Rogo é apontado como responsável por radicalizações

O norte de Moçambique está a ser visto como o mais recente santuário para terroristas do Quénia, Tanzânia, Uganda, Somália, Iémen, República Democrática do Congo e Ruanda. 

O texto lembra que em março relatórios dos serviços secretos quenianos assinalaram vários cidadãos, especialmente da região da costa do Quénia, como tendo entrado nas fileiras dos insurrectos moçambicanos. 

Os relatórios indicavam que vários jovens que tinham sido radicalizados pelo falecido clérigo Aboud Rogo encontravam-se entre os combatentes que foram para o norte de Moçambique. Alguns dos jovens terão fugido para Moçambique após a morte de Rogo.

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: "Ataques terroristas não têm nada a ver com Islão"

Leia mais