FLEC exige libertação de manifestantes em Cabinda | Angola | DW | 02.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

FLEC exige libertação de manifestantes em Cabinda

Mais de 30 manifestantes foram detidos por organizar marcha pacífica em Cabinda, denuncia o movimento independentista daquela região. FLEC diz que Angola está a promover "terrorismo de Estado".

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) acusou Angola de estar a exercer "terrorismo de Estado" em Cabinda e pediu a libertação dos mais de 30 jovens do movimento que foram detidos pelas autoridades angolanas.

"Exigimos a libertação imediata e sem condições dos manifestantes. Nós temos direito à nossa autodeterminação e à nossa identidade. Estamos a ser reprimidos por Angola e denunciamos a repressão violenta que sofremos por parte dos angolanos", disse Jean Claude Nzita, porta-voz da FLEC, em declarações à agênvia de notícias Lusa esta sexta-feira (01.02).

Na terça-feira, as autoridades angolanas detiveram 32 pessoas de forma a tentarem evitar a realização de uma marcha pacífica em Cabinda para assinalar o 134.º aniversário do Tratado de Simulambuco. 

Já na sexta-feira, numa mensagem na rede social WhatsApp, o Movimento Independentista de Cabinda (MIC) afirmou que a "polícia colonial angolana" deteve nesse dia o secretário-geral da organização, Carlos Vemba.

"Estamos a ser impedidos de nos exprimir livremente, como ficou patente na detenção dos manifestantes. Angola está a exercer um terrorismo de Estado sob a população de Cabinda", acrescentou Jean Claude Nzita, que vive em Paris, França.

 Jean Claude Nzita - FLEC-FLAC

Jean Claude Nzita, porta-voz da FLEC

Responsabilidades

Para a FLEC, Portugal é o culpado desta situação por continuar a fugir às suas responsabilidades e não ter assumido os seus compromissos com a província de Cabinda. "O responsável de tudo isto é Portugal e os portugueses sempre fugiram às suas responsabilidades, mantendo uma postura hipócrita em relação à nossa situação", vincou o porta-voz.

O Tratado de Simulambuco foi assinado em 01 de fevereiro de 1885 pelo representante do Governo português, Guilherme Augusto de Brito Capello, então capitão tenente da Armada e comandante da corveta "Rainha de Portugal", e pelos príncipes, chefes e oficiais do reino de N'Goyo. O tratado colocou Cabinda sob protetorado português e foi elaborado antes da Conferência de Berlim, que dividiu África pelas potências europeias. 

A procura da independência data, no entanto, de 1956, quatro anos depois da união administrativa com Angola, com a formação do Movimento de Libertação do Enclave de Cabinda (MLEC) e, em 1963, dois anos depois do início da guerra em Angola, são criados o Comité de Ação da União Nacional dos Cabindas (CAUNC) e a Aliança Maiombe (ALLIAMA).

A Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC) é fundada nesse mesmo ano, como resultado da fusão dos movimentos existentes e de forma a unir esforços que sensibilizassem Portugal para o desejo de independência. Mais recentemente, a FLEC passou a designar-se Frente de Libertação do Estado de Cabinda.

Leia mais