Emigrantes financiam serviços públicos no Mali | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 17.08.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Emigrantes financiam serviços públicos no Mali

No Mali as pessoas estão habituadas à ineficácia do Estado. Mas o que fazer quando a administração não faz nada? Os malianos não resignam e arranjam forma - mesmo que pouco convencional - de solucionar os seus problemas.

Um posto de saúde no ocidente do país, uma zona de extrema pobreza, é um exemplo que demonstra como os malianos recorrem à autoajuda para enfrentar as dificuldades do dia a dia.

No dia em que chegamos à remota aldeia de Bandiougoula, o mais velho Salomou Traoré corta a fita de inauguração e pede aos convidados de honra e à população que entre na sala de parto novinha em folha do posto de saúde. Há uma cama, uma cadeira ginecológica e um páravento móvel. Uma enfermeira explica a quem quer saber por que esta sala de parto é tão importante para um lugar como Bandiougoula.

No Mali ainda morrem muitas mulheres durante o parto, sobretudo nas regiões rurais, onde o acesso a cuidados médicos é inexistente. Por isso era tão importante para os habitantes da aldeia terem um posto de saúde. E o facto do modesto posto ter agora uma sala de parto é motivo para celebrações.

Abençoados emigrantes

Ouvir o áudio 02:46

Emigrantes financiam serviços públicos no Mali

O imã abençoa a nova aquisição. Há danças e cantares e discursos durante quase duas horas. E todos são unânimes em tecer louvores aos emigrantes: os numerosos homens e algumas mulheres que partiram de Bandiougoula, sobretudo para a França, para ganhar a vida. São eles que enviam dinheiro, não para a família, mas para apoiar projetos que beneficiem toda a comunidade.

Salomou Traoré diz que o posto de saúde, a nova sala de parto, a torre de água e duas escolas não foram financiados com impostos, mas com as remessas dos emigrantes: "Fomos nós que fizemos tudo o que existe na nossa aldeia. O Estado maliano não fez nada".

Qualidade de vida

Bandiougoula não tem eletricidade nem água corrente. Mas pelo menos tem agora duas escolas, uma torre de água e um posto de saúde. O que é muito mais do que existe noutras aldeias. Quem adoecer ou se magoar no trabalho pode recorrer a um médico ou a uma das duas enfermeiras no posto de saúde. As parturientes não precisam ser transportadas de carro e aos solavancos por uma pista de areia os 15 quilómetros que separam a aldeia da cidade de Yelimané.

Agora as crianças nascem em Bandiougoula onde podem ser vacinadas e ter cuidados médicos regulares. Para os habitantes desta aldeia, isso significa uma melhoria significativa da qualidade de vida, que ficaram a dever apenas ao próprio esforço.

 

Leia mais