Eleições em Moçambique: Troca de acusações entre FRELIMO e RENAMO gera tensão na Zambézia | Moçambique | DW | 11.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Eleições em Moçambique: Troca de acusações entre FRELIMO e RENAMO gera tensão na Zambézia

Tensão e acusações mútuas marcam a campanha eleitoral na Zambézia. A FRELIMO acusa a RENAMO de incitação à violência para o dia votação, já na próxima terça-feira. Candidato do MDM acusado de fazer campanha para RENAMO.

A campanha eleitoral termina neste sábado (12.10) em Moçambique. Na última semana de campanha eleitoral, as atividades políticas na província da Zambézia ficam marcadas por troca de acusações entre os principais partidos que disputam o pleito de 15 de outubro.

A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), o partido no poder, não esconde a sua indignação e diz que a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição, está a mobilizar populares para pernoitarem nas assembleias de voto, de modo a acompanharem o processo da contagem de votos.

"A lei diz que os eleitores depois de exercerem o seu direito de voto devem ir para casa. No momento de contagem tem lá pessoas específicas responsáveis por este ato. Nós analisamos isso como uma confusão, não é primeira vez que temos eleições em Moçambique, mas nunca houve esse tipo de situação em os eleitores devem permanecer nos postos de votação. Trata-se de uma incitação”, disse o mandatário da FRELIMO na Zambézia, António Molde.

Oposição mantém a sua decisão

Por seu turno, a RENAMO confirma que vai mobilizar membros do partido para permanecer nas redondezas dos postos de votação no dia votação até à contagem do último boletim de voto. Segundo o mandatário do maior partido da oposição, Ezequiel Gusse, não é nenhum crime as pessoas acompanharem a contagem de voto perto dos postos de votação.

"Reiteramos, e recomendamos aos nossos membros e simpatizantes que depois da votação devem permanecer nas redondezas, repito, nas redondezas de assembleias de voto para acompanhar os resultados que vão ser divulgados no quadro da transparência que o processo eleitoral moçambicano configura desde as primeiras eleições, em 1994.”

MDM apoia a RENAMO?

Também Luís Boa Vida, cabeça de lista do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), segundo maior partido da oposição, ao cargo de governador na Zambézia, está a ser acusado pelos opositores de fazer campanha política a favor de um outro partido - a RENAMO. Luís Boa Vida não tardou em reagir:

Ouvir o áudio 02:03

Eleições: Troca de acusações entre FRELIMO e RENAMO gera tensão na Zambézia

"Há uns aí de outros partidos que quando dormem sonham com boa vida como seu cabeça de lista, eu sou cabeça de lista de MDM, porque eu sou MDM, nós queremos uma nova Zambézia no dia 15 de outubro, e vamos conseguir!”

Populares dizem que não há fôlego aos membros dos dois principais partidos rivais em Moçambique nomeadamente a RENAMO e a FRELIMO. Muitas pessoas que fazem parte da estrutura dos bairros disseram à DW que não têm dormido em suas casas devido às ameaças que têm sofrido.

Na próxima terça-feira, 12,9 milhões de eleitores moçambicanos vão escolher o Presidente da República, dez assembleias provinciais e respetivos governadores, bem como 250 deputados da Assembleia da República.

Assistir ao vídeo 01:52

RENAMO: "Ficou claro que esquadrões da morte fazem parte dos órgãos de justiça"

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados