Covid-19: Locais de culto de Luanda e Kwanza Norte continuam fechados | Angola | DW | 24.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Covid-19: Locais de culto de Luanda e Kwanza Norte continuam fechados

Esta quarta-feira (24.06), os locais de culto reabrem em Angola, com exceção de Luanda e Kwanza Norte, devido ao número de casos de Covid-19 nestas províncias. Os religiosos ouvidos pela DW aplaudem a medida do Governo.

Enquanto os locais de culto voltam a abrir as portas noutras províncias de Angola, em Luanda e no Kwanza Norte terão de permanecer fechados.

Segundo Lúcio Marques, pastor da Igreja Evangélica Congregacional em Angola (IECA), sedeada em Ndalatando, já estava tudo preparado para a reabertura dos locais de culto - foi feita a higienização e todo o material de biossegurança estava a postos.

O pastor diz que a expetativa era grande. No entanto, aplaude a decisão do Governo de não reabrir para já os templos nas províncias de Luanda e Kwanza Norte. "Nós, enquanto Igreja, estamos de acordo com a decisão do Governo e vamos cumprir. Veremos até onde isso nos vai levar", afirma.

"Mas vamos preparar as condições, porque, querendo ou não, teremos que voltar - pode ser em duas semanas, em três semanas ou mesmo um mês. Teremos que voltar a ter os cultos, como é expectável. E, aliás, as outras províncias vão retomar já dia 24 [de junho]", alerta o pastor Lúcio Marques.

Ministra da Saúde cautelosa

A decisão de manter as portas das igrejas encerradas em Luanda e no Kwanza Norte foi anunciada na noite de segunda-feira (22.06) pela ministra angolana da Saúde, Sílvia Lutucuta, durante a habitual conferência de imprensa de atualização de dados da Covid-19.

Angola | Gesundheitsministerin Silvia Lutucuta (DW/A. Domingos)

Ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta.

"Apesar de termos feito uma projeção, no decreto de estado de calamidade, em que estimavam que os locais de culto e de cerimónias religiosas abririam no dia 24 [de junho], tal não vai acontecer na província de Luanda e Kwanza Norte por causa da evolução epidemiológica, ou da situação epidemiológica atual - temos tido um aumento considerável de casos nas últimas semanas", justifica a ministra.

Luanda e Kwanza Norte são as únicas províncias onde se registaram, até à data, casos positivos de coronavírus - no Kwanza Norte já foram diagnosticadas quatro infeções, num total de 186 casos registados no país.

Prevenção em primeiro lugar

Samuel Boco, cristão católico que vive no bairro Kipata - um dos quatro bairros de Ndalatando onde as autoridades impuseram cercas sanitárias - concorda com o adiamento da reabertura dos templos. Em primeiro lugar, está a saúde.

"Perante o quadro em que nós vivemos, de modo particular aqui na província do Kwanza Norte, na cidade de Ndalatando, não é prioritária a abertura das igrejas já no dia 24 [de junho]. Pois ainda estamos a procurar conter a propagação da Covid-19, encontrando todos os elementos diretos, indiretos e terceiros que tiveram contactos com casos já notificados aqui", entende o crente.

Angola Cuanza Norte | Katholische Christen nah Massangano

Cristãos católicos do Kwanza Norte e Luanda amontoados à beira do santuário de Massangano

O padre salesiano Vitorino Cesário afirma que é preciso cautela, não só na capital do Kwanza Norte, como também nos outros sítios, onde as igrejas vão reabrir esta quarta-feira (24.06).

"Questões de prevenção são as mais necessárias, somos obrigados a obedecer, isto usando máscara, álcool gel, ou então lavar as mãos, porque é o foco principal. São as condições necessárias. Queremos também participar das missas, mas salvaguardando a vida que é o fundamental para qualquer um", atenta o pároco.

Fiscalização na reabertura?

Esta semana, o bastonário da Ordem dos Psicólogos de Angola, Carlinho Zassala, pediu ao Governo para fiscalizar o cumprimento das medidas de prevenção nos templos que vão reabrir as portas.

"É bom mesmo pensarmos nas consequências, porque vale mais remediar uma grama de prevenção, que uma tonelada de cura. [Existe] essa nossa preocupação quanto ao problema do início dos cultos, sim. Mas tem que haver mecanismos de fiscalização. Se não, se houver uma qualquer explosão da pandemia, o controlo será difícil", alerta o bastonário.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados