Conselho da RENAMO promete dividir Moçambique se diálogo com Governo falhar | Moçambique | DW | 24.06.2014

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Conselho da RENAMO promete dividir Moçambique se diálogo com Governo falhar

O Conselho Nacional da RENAMO escolheu Afonso Dhlakama como candidato às presidenciais de 15 de outubro próximo. Também a divisão do país foi decidida, caso as negociações com o Governo não sejam frutíferas.

Panfleto da RENAMO nas eleições gerais de 2009

Panfleto da RENAMO nas eleições gerais de 2009

A avaliação da candidatura do líder do maior partido da oposição, a RENAMO, o desempenho dos órgãos do partido e a situação em que se encontra o país foram discutidos no III Conselho Nacional da RENAMO que decorreu entre esta segunda-feira (23.06) e terça-feira (24.06).

Novas estratégias desenhadas e divulgadas à imprensa no fim do encontro referem que o país deve ser dividido a partir do rio Save, local onde acontecem os ataques supostamente perpetrados pela Perdiz, símbolo do partido RENAMO.

Segundo José Manteiga, porta-voz do III Conselho Nacional da RENAMO, por questões de segurança Afonso Dhlakama não participou das discussões internas do partido, mas teve a oportunidade de falar aos conselheiros via Skype.

Manteiga afirmou que o reaparecimento do seu líder, ou seja, o seu abandono definitivo das matas de Gorongosa, na província central de Sofala, está dependente
da revisão da política de defesa e segurança.

Mosambik Afonso Dhlakama Führer der Oppositionspartei RENAMO 2013

Afonso Dhlakama não participou do encontro da RENAMO

Moçambique em retalhos

E como a solução pacífica tarda em chegar, a RENAMO traçou a sua própria saída, caso o consenso não seja alcançado. Neste contexto, José Manteiga diz que o "Conselho Nacional deliberou que não havendo condições de co-habitação entre a RENAMO e a FRELIMO, significa que a FRELIMO quer a divisão deste país."

Por isso, o porta-voz do III Conselho acrescenta: "A RENAMO entende que não havendo consenso nas negociações, e não tendo sido criadas as condições para que o nosso presidente saia das matas para fazer a sua campanha, temos que que separar as regiões, a RENAMO fica nas zonas centro e norte e a FRELIMO na zona Sul."

O político sustenta ainda que o processo das negociações entre o Governo da FRELIMO e a RENAMO não está a produzir quaisquer resultados.

Em cima da mesa está atualmente a composição das Forças Armadas de Moçambique e a desmilitarização da RENAMO. O maior partido da oposição exige que o exército seja composto pelos seus homens em 50% e para o Governo o mesmo valor, conforme o definido nos Acordos de Paz de 1992, que puseram fim à guerra civil de 16 anos entre as partes.

Mosambik Zusammenstöße RENAMO Rebellen mit Polizei

Os homens da RENAMO confrontam-se diariamente com as forças do Governo

Tudo está nas mãos do Governo?

José Manteiga contou também que, depois do encerramento do Conselho Nacional os mais de 100 Conselheiros e a população dialogaram com a população através do skype.

O porta-voz garante que se na mesa de diálogo tudo correr de feição, "a RENAMO e o presidente Dhlakama podem sair das matas e hoje mesmo ir a Maputo, amanhã começar a sua pré-campanha."

A RENAMO garante que os conselheiros saíram satisfeitos do encontro e tomaram como desafio trabalhar com as comunidades da base, para garantir a votação plena do candidato nas eleições de 15 de outubro, tanto do partido como do seu líder Afonso Dhlakama.

O encontro que juntou mais de 800 participantes, entre delegados e concorrentes aos órgãos deliberativos, foi antecedido de intensos debates à volta do desempenho do partido ao nível de base.

Ouvir o áudio 02:41

Conselho da RENAMO promete dividir Moçambique se diálogo com Governo falhar

Leia mais