Chanceler alemão está em África com o gás e a guerra na Ucrânia na agenda | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Chanceler alemão está em África com o gás e a guerra na Ucrânia na agenda

Chanceler alemão, Olaf Scholz, começou no domingo (22.05) a sua primeira visita como chefe do Governo alemão ao continente africano. Durante três dias, Scholz visita Senegal, Níger e África do Sul.

A porta de entrada do chanceler alemão em África foi Dakar, no Senegal – neste domingo (22.05). Olaf Scholz foi recebido em audiência pelo Presidente senegalês, Macky Sall, que é também o presidente da União Africana (UA).

Os dois dirigentes concentraram as suas conversas em torno da crise ucraniana, segundo disse em conferência de imprensa o estadista senegalês. 

"Como presidente da União Africana, expressei ao Chanceler Scholz as nossas sérias preocupações sobre o impacto da guerra nos nossos países, países africanos, incluindo os picos de preços e as carências generalizadas de alimentos que estão a ser observadas", adiantou.

O chefe do governo alemão garantiu prosseguir as ajudas ao continente africano, para minimizar a crise de alimentos, através do apoio a programas de assistência e exportação de cereais. 

Senegal Besuch Kanzler Scholz | PK mit Präsident Macky Sall

Chanceler alemão, Olaf Scholz, e Presidente do Senegal, Macky Sall

"Caso contrário, o perigo é grande. Muitos países têm dificuldades em alimentar o seu povo; isso não nos deve deixar indiferentes, não nos deixa indiferentes e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance", adiantou.

Macky Sall no leste da Europa

Macky Sall anunciou que viajará nos próximos dias à Rússia e Ucrânia, na qualidade de Presidente da UA, num esforço para encontrar uma saída para o fim do conflito.

"Queremos paz, não queremos estar alinhados com este conflito, muito claramente. Mesmo que condenemos a invasão, estamos a trabalhar para que haja um cessar-fogo e um diálogo. Portanto, esta é a posição africana, não é para dizer que somos a favor ou contra esta ou aquela e que assumimos plenamente as nossas posições", referiu.

A questão da dependência do gás russo, também está no topo das preocupações da Alemanha. Nesta deslocação, Olaf Scholz procura encontrar soluções alternativas. 

Exportar mais gás para a Europa?

Afrika Gas LNG-Tanker im Senegal

Senegal tem milhões de metros cúbicos de gás natural

O Senegal tem milhões de metros cúbicos de gás natural e Macky Sall diz que o país está pronto para exportar o gás natural liquefeito para a Alemanha e a Europa nos próximos anos. 

Este anúncio anima o chanceler alemão, que garante já haver conversações sobre o assunto, que se deverão intensificar nos próximos dias. 

Ainda assim, o Chanceler Sholz frisa que o foco está nas energias renováveis.

"Elas dão uma valiosa contribuição para um fornecimento de energia amiga do clima. Continuaremos a apoiar o Senegal nesta matéria no âmbito do G7 e, naturalmente, também no âmbito de uma parceria climática", sublinhou.

Depois de Senegal, o chanceler alemão vai ao Níger e à África do Sul. 

Pode surgir de África a solução para a crise do gás na Europa?

Leia mais