Bancos portugueses processam empresa de Isabel dos Santos em busca de dinheiro | Angola | DW | 14.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Bancos portugueses processam empresa de Isabel dos Santos em busca de dinheiro

Três bancos portugueses interpuseram ações de execução sobre a empresa Winterfell, da angolana Isabel dos Santos, que detinha o controlo da Efacec. Processo poderá levar Estado angolano a desembolsar 30 milhões de euros.

O início do ano de 2020 ficou marcado pelos processos de litígio entre a empresária angolana Isabel dos Santos e o Estado português após a investigação internacional feita por jornalistas no âmbito do projeto Luanda Leaks. 

O desenvolvimento mais recente debruça-se sobre as garantias públicas dadas por Angola à filha do ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, para a compra da multinacional portuguesa Efacec, que está agora sob controlo do Governo português. Em causa está a dívida contraída pela empresária à banca portuguesa, nomeadamente através do Novo Banco (NB), do Banco Comercial Português (BCP) e da Caixa Geral de Depósitos (CGD). 

Estas instituições financeiras interpuseram ações contra a empresa Winterfell, de Isabel dos Santos, o que poderá levar o Estado angolano a pagar 30 milhões de euros devido à garantia dada pela Empresa de Distribuição de Electricidade de Angola (ENDE) para a compra da Efacec pela Winterfell.

Portugal Journalistin Rosália Amorim

Rosália Amorim, diretora do Diário de Notícias

"Julgo que este é um processo que vai ser longo e que não facilita a vida à empresária Isabel dos Santos", comenta Rosália Amorim, diretora do Diário de Notícias. 

O Estado português pretende relançar a multinacional Efacec, que foi nacionalizada, e reprivatizá-la. "Isabel dos Santos recorreu à justiça pedindo a impugnação da nacionalização, que considerou discriminatória. Ora bem, este braço de força continua, mas julgo que qualquer ação que venha agora a ser tomada na atual circunstância, e considerando a informação existente, não deve ser entendida como uma divergência entre o Estado português e o Estado angolano e qualquer dúvida será seguramente dirimida em sede própria, ou seja na justiça", refere a jornalista.

O problema das pessoas politicamente expostas

Segundo o deputado Jorge Costa, co-autor do livro "Os Donos Angolanos de Portugal", a execução da garantia pública angolana sobre os empréstimos de bancos portugueses às empresas de Isabel dos Santos é mais um caso demonstrativo do perigo que as relações financeiras com pessoas politicamente expostas representa para os Estados e para os contribuintes.

"Surpreende adicionalmente pelo facto de os bancos portugueses já conhecerem o caso anterior do Banco Espírito Santo (BES), quando tomaram a decisão de vir emprestar a Isabel dos Santos nestas condições", frisa o parlamentar português.

Portugal Journalist und Politiker Jorge Costa

Jorge Costa, deputado do Bloco de Esquerda e co-autor do livro "Os Donos Angolanos de Portugal"

Quanto à Efacec, o deputado do Bloco de Esquerda e também jornalista estima que "os prejuízos acabarão por cair, como parece ser o caso, na conta dos contribuintes angolanos, uma vez que é o Estado angolano, através da ENDE, que deu a garantia sobre estes empréstimos à Isabel dos Santos, a filha do ex-Presidente da República".

Neste contexto, Jorge Costa afirma que "a banca portuguesa teve também um comportamento profundamente condenável".

Para o analista, os bancos privados devem ser cuidadosos nas relações com pessoas politicamente expostas, sabendo de antemão que as relações de promiscuidade com o poder eram gritantes. 

A analista Rosália Amorim considera, por último, que o mais importante em todo este processo é que a Efacec – que sempre foi uma das mais prestigiadas empresas portuguesas – seja relançada para recuperar competitividade.

"É uma companhia importante em matéria de emprego qualificado no Norte do país, assim como em matéria de centros de competências, tecnologia e exportações que Portugal não quer perder", adverte.

Assistir ao vídeo 01:24

"Luanda Leaks": Entenda as denúncias contra a multimilionária Isabel dos Santos

Leia mais