Angola tem ″compromisso com a redução da mortalidade materno-infantil″, diz ministra da Saúde | Angola | DW | 27.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola tem "compromisso com a redução da mortalidade materno-infantil", diz ministra da Saúde

Em entrevista exclusiva à DW África, Sílvia Lutucuta fala em redução de casos de malária, diz que o país faz o trabalho de casa na prevenção do ébola e que a redução da mortalidade materno infantil é uma prioridade.

Silvia Lutucuta (DW/C.V. Teixeira)

Sílvia Lutucuta

No âmbito da visita Presidencial à Alemanha, na semana passada, a ministra angolana da Saúde, Sílvia Lutucuta, concedeu uma entrevista exclusiva à DW África, em Berlim, na qual falou sobre as prioridades e desafios de sua pasta, mas também sobre como Angola está a se proteger do surto de ébola na República Democrática do Congo. A ministra avaliou ainda a situação da malária no país, doença que vem sendo administrada por uma abordagem multisetorial, segundo Lutucuta. 

DW África: Dentre os projetos que tem na área da Saúde, o que está a ser uma prioridade atualmente?

Angola Lubango Kinderkrankenhaus Mütter (DW/A. Vieira)

Mulheres em hospital do Lubango, após darem à luz

Sílvia Lutucuta (SL): Nós temos várias prioridades. Medicamentos. Nós precisamos ter uma logística de medicamentos mais eficaz, com a qualidade necessária. Por outro lado, temos compromissos muito importantes com a redução da mortalidade materno-infantil. Para além disso, por outro lado, temos a melhoria das infraestruturas e qualidade dos recursos humanos. Estes são os grandes desafios e, depois, temos todos os outros que concorrem para a melhoria da assistência médica e medicamentosa dos angolanos.

DW África: Quais são as medidas que estão a ser tomadas para ultrapassar esses desafios?

SL: Nós estamos a trabalhar para a melhoria dos cuidados primários de saúde. É a referência que 80% das situações de saúde têm solução a nível dos cuidados primários de saúde. Para isso, estamos a melhorar a quantidade e qualidade dos nossos postos médicos e centros de saúde. Nós temos hospitais que foram construídos, unidades muito boas, com equipamentos e com a qualidade, em termos de infraestruturas, de topo. Mas, precisamos de melhorar a qualidade de recursos humanos que lá metemos.

Também subespecializar os hospitais. Termos uma referência, por exemplo, em ortopedia, uma referência em cirurgia cardíaca e outras referências. E fazer geminação com unidades hospitalares, no estrangeiro, de referência.Isto vai aumentar a eficiência, a qualidade da assistência e também há sempre a possibilidade de formarmos mais quadros qualificados e localmente.

Moskitonetz gegen Malaria (picture-alliance/dpa/S. Morrison)

Uso de redes mosquiteira é uma das principais formas de prevenção à malária

DW África: Um tema que tem chamado a atenção tem sido esse vai-e-vem das crises de ébola na República Democrática do Congo. Como Angola está a ver isso?

SL: Do ponto de vista comercial, assistência médica, nós trabalhamos de forma integrada com os outros países e também cumprimos as normas internacionais de saúde. Também temos um parceiro muito importante que é a Organização Mundial de Saúde, a OMS África. Portanto, em Angola, foram tomadas as medidas preventivas. Temos estado a fazer trabalhos ao nível das nossas fronteiras, preparar condições para o caso de surgir um caso [de ébola] e estamos a educar a nossa população, formação de técnicos. É um esforço conjunto que nós temos estado a fazer, não só em Angola, mas na região.

DW África: Este controle na fronteira continua em andamento e até quando será mantido?

SL: Isso será mantido até não termos ébola na República Democrática do Congo. Qualquer país tem que estar em permanente alerta.

DW África: Qual é a situação da malária atualmente em Angola e como está a ser implementado o esforço do Governo no combate à malária?

Ouvir o áudio 05:26

Angola tem "compromisso com a redução da mortaliade materno-infantil," diz ministra da Saúde

SL: A malária é uma das principais causa de morte e morbilidade em Angola, é uma doença endémica. Mas está sendo feito um esforço conjunto, e gostaria também que percebessem que nós estamos, e é essa a orientação do titular do Poder Executivo, de os ministérios trabalharem de forma integrada.

As doenças resultam de uma série de determinantes de saúde e então, estamos a fazer um esforço multisetorial. Trabalhamos com o Ministério da Energia e Águas, por causa do abastecimento de água potável, com o ministério da Família e Reinserção Social, que tem um programa específico de combate à pobreza. E também é nossa preocupação, dentro das nossas políticas, trabalhar mais na prevenção e, assim, conseguimos ter um sistema de saúde mais resiliente.

Nós temos uma comissão multissetorial de combate à malária, de combate à cólera e outras doenças e que tem estado a trabalhar de forma integrada para arranjar soluções para o problema.

DW África: Já foi possível identificar avanços no combate à malária?

SL: Já. Já houve avanços significativos. Já conseguimos ter melhor quantificação dos casos e melhor tomar medidas - quer para o tratamento, quer para a prevenção. Com isto, temos estado a controlar melhor a situação. O pior ano da malária foi 2016 e final de 2015 - nós tivemos mais de seis milhões de pessoas com malária e o número de mortes também foi muito elevado. Esses números baixaram um pouco. Este ano [2017/2018], tivemos cerca de três milhões e 500 pessoas com malária. A mortalidade foi inferior a do anos de 2016, tivemos cerca de 2.500 mortes.

E vamos continuar a tratar, sensibilizar a população - há de fazer advocacia para o uso do mosquiteiro e também evitar todas as condições para a reprodução do mosquito que é a base do problema.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados